Petrobras corre contra o tempo para levar g?s boliviano ao RJ

Conclus?o desse gasoduto ? um projeto antigo da Petrobras e visa a interliga??o entre a malha que utiliza o g?s extra?do em Campos com o gasoduto Bol?via-Brasil

Agencia Estado

18 de junho de 2007 | 09h38

A Petrobras e o Minist?rio de Minas e Energia (MME) est?o correndo contra o tempo para licenciar o gasoduto que liga a cidade de Campinas (SP) ao Rio de Janeiro antes do in?cio dos Jogos Pan-Americanos, no dia 13 de julho. Com isso, seria poss?vel contar com o g?s natural procedente da Bol?via, na hip?tese de ter algum problema no suprimento do combust?vel extra?do da bacia de Campos, no litoral fluminense. A conclus?o desse gasoduto ? um projeto antigo da Petrobras e visa a interliga??o entre a malha que utiliza o g?s extra?do em Campos com o gasoduto Bol?via-Brasil (Gasbol). Com isso, a estatal teria maior autonomia para abastecer o mercado com g?s natural."? uma medida preventiva, como sempre fazemos em grandes eventos, como o carnaval, ano-novo e decis?es de Copa do Mundo", explicou uma fonte do setor. "Nesse per?odo o Operador Nacional do Sistema El?trico (ONS) adota medidas extras de cautela para evitar qualquer surpresa, trabalhando com sistemas de redund?ncia", complementou.O assunto foi discutido em reuni?o realizada hoje pelo Comit? de Monitoramento do Setor El?trico (CMSE), ?rg?o colegiado que avalia as condi??es de oferta de energia el?trica no Pa?s, atendendo pondera??es do ONS. O ?rg?o, respons?vel pela coordena??o da produ??o de toda energia el?trica no Pa?s, recomendou que fosse dada prefer?ncia ? gera??o por parte das t?rmicas localizadas no Rio de Janeiro, reduzindo os riscos de corte gerados por eventuais problemas nas linhas de transmiss?o que abastecem a cidade. O Rio de Janeiro recebe energia el?trica at? da hidrel?trica de Itaipu, al?m de Minas Gerais, e sempre h? o risco de queda nas linhas de transmiss?o.As t?rmicas fluminenses, por sua vez, s?o abastecidas pelo g?s extra?do na bacia do norte fluminense e j? houve problemas no atendimento ?s usinas localizadas no Estado. "A alternativa ? utilizar o g?s boliviano. Mas o gasoduto ainda n?o recebeu todo o licenciamento ambiental para poder operar", explicou a fonte. O esfor?o do setor agora ? tentar esse licenciamento nas pr?ximas semanas, o que permitir? que o ONS programe as t?rmicas, mesmo se houver problemas com a extra??o do g?s em Campos ou na Bol?via. "O sistema ficar? mais flex?vel", comentou a fonte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.