Petrobras diz que continua a negociar com o Equador

A Petrobras disse na terça-feira que continua negociando sua adesão a um novo contrato de prestação de serviço com o Equador, depois de assinar um acordo temporário, com duração de um ano. O presidente do Equador, Rafael Correa, disse no fim de semana que a empresa aceitou o acordo temporário para que se negocie a fórmula definitiva durante um ano, como parte da iniciativa de Quito para ampliar o controle do Estado sobre os recursos naturais. Mas a Petrobras disse que a adesão ao novo modelo não está definida. No contrato de serviço, que Correa tenta impor há quase um ano, o Estado paga às empresas uma taxa pelo trabalho de extração do petróleo, em vez de dividir o faturamento. "Este novo contrato seria por um máximo de um ano, durante o qual o contrato seria negociado para decidir migrar ou não para o novo modelo que o governo apresentou", disse a Petrobras em nota. O acordo temporário reduz o ônus fiscal das empresas, disse a Petrobras, sem entrar em detalhes. O Equador, um país da Opep, produz cerca de meio milhão de barris de petróleo por dia. A produção está dividida quase ao meio entre a estatal Petroecuador e as empresas estrangeiras. O nacionalista Correa também pretende ampliar o controle do Estado sobre outros setores, como energia e mineração. A dificuldades nas negociações restringem o investimento no setor petrolífero, e Correa ameaça expulsar empresas responsáveis por uma queda na produção. Mas ele rejeita a nacionalização pura e simples, tal qual realizada por seu aliado venezuelano, Hugo Chávez. (Reportagem de Alexandra Valencia)

REUTERS

21 Outubro 2008 | 21h24

Mais conteúdo sobre:
ENERGIA PETROBRAS EQUADOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.