Petrobras diz que refinarias estão no limite

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, defendeu hoje a construção de novas refinarias como forma de amenizar a atual situação de oferta de combustíveis no País. Segundo ele, a capacidade de refino nacional está "no limite". "Temos um problema: estamos no limite do refino e com um crescimento exponencial na produção de petróleo. Somos a empresa no mundo que mais cresce em produção com base em novas reservas", afirmou, rebatendo as constantes críticas do mercado financeiro sobre os investimentos de quase US$ 40 bilhões que a companhia tem previsto em seu plano de negócios até 2014 para a área de refino.

KELLY LIMA, Agencia Estado

21 de fevereiro de 2011 | 12h46

O executivo disse que a situação mais crítica é da gasolina, mas também há risco de que os processamentos de Querosene de Aviação (QAV) e Gás Liquefeito do Petróleo (GLP) cheguem no limite. "Não investir em refinaria no curto prazo é suicídio", disse.

O crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e a melhora na renda per capita são os pontos apontados por Gabrielli como as principais razões para o aumento do consumo, bem como a falta de investimentos em novas refinarias no passado. "Toda nossa intervenção nos últimos anos foi para aumentar a capacidade de produção de diesel em nossas refinarias. Agora vemos gargalo na gasolina e outros, mas isso não se muda no curto prazo. A única maneira de mudar isso é construir refinarias, e isso leva seis anos no mínimo", disse.

Especificamente sobre a gasolina, ele ainda comentou que a situação brasileira é peculiar, porque depende do preço do açúcar no mercado internacional. Isso porque o consumo de álcool é influenciado pelo preço do produto e este só é ditado pela oferta, que varia de acordo com a demanda de açúcar no mercado internacional. No ano passado, lembrou o executivo, o crescimento da gasolina no mercado interno foi de 19%, ante um PIB de 7% e 10% do mercado geral de combustíveis.

Gabrielli afirmou ainda que, atualmente, o preço da gasolina no País está abaixo do praticado no mercado internacional. "Mas é natural. Nós, há bem pouco tempo, estávamos acima do preço. Não vamos alterar nossa política de preços, não vamos repassar oscilações no curto prazo. Toda vez que há uma instabilidade no mercado futuro repassamos para os preços, mas isso só é avaliado dentro de uma política de longo prazo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.