Petrobras diz que saberá tamanho de Carioca em 3 meses

Segundo o presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli, ainda é muito cedo para saber o tamanho das reservas

Luis Rojas Mena e Noel Randewich, da Reuters,

15 de abril de 2008 | 23h20

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, disse nesta terça-feira, 15, que nos próximos três meses será possível saber o tamanho das reservas do campo de Carioca, também chamado de Pão de Açúcar.    Em sociedade com Repsol-YPF e BG Group, a Petrobras encontrou Carioca ao oeste do campo de Tupi, na Bacia de Santos. O diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo, Haroldo Lima, calculou na segunda-feira que poderia haver ali até 33 bilhões de barris equivalentes de petróleo e gás natural.   Veja também: Haroldo Lima questiona competência legal da CVM para puni-lo Procurador do MPF vai avaliar declarações de Haroldo Lima Pão de Açúcar: País pode ter o terceiro maior campo de petróleo do mundo 'Brasil pode se unir à Opep', diz jornal americano Descobertas vão render R$ 160 bi  Novo megacampo no Brasil mexe com bolsas de Londres e Madri  A história e os números da Petrobras A maior jazida de petróleo do País A exploração de petróleo no Brasil  Gabrielli, no entanto, afirmou que ainda é muito cedo para saber o tamanho das reservas, que se encontram em águas profundas.  "Em geral diria que levaria um ou dois meses para terminar com a perfuração e logo teremos um tempo para a análise, o que significa que provavelmente dentro de 3 meses teremos informação para ver o que é o que está acontecendo realmente", disse ele em entrevista à Reuters. Gabrielli falou no Fórum Econômico Mundial que acontece no balneário mexicano de Cancún.   O eventual tamanho das reservas foi motivo de polêmica no Brasil, onde a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) pediu explicações à Petrobras após a divulgação dos dados. Lima afirmou que a informação está publicada na revista especializada World Oil Industry desde fevereiro. Caso a informação seja confirmada, as reservas em águas profundas seriam a maior descoberta no mundo nos últimos 30 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.