Petrobrás faz parceria com KL Energy para etanol

Estatal quer acelerar pesquisas para a produção de biocombustível a partir do bagaço da cana-de-açúcar

Reuters,

24 de agosto de 2010 | 19h01

A Petrobrás decidiu acelerar suas pesquisas para produção de etanol a partir do bagaço de cana-de-açúcar e para isso fechou parceria com a norte-americana KL Energy Corporation (KLE), que já estava adiantada nos testes de produção de etanol celulósico a partir da madeira.

"O objetivo é conseguir produzir pelo menos 40 por cento a mais de etanol sem precisar plantar mais um pé de cana", explicou a jornalistas o gerente de gestão tecnológica da Petrobrás Biocombustíveis, João Norberto Noschang Neto.

No acordo entre as duas empresas, a Petrobrás vai investir US$ 6 milhões para adaptar a planta de demonstração da KLE em Unpton, nos Estados Unidos, substituindo a madeira - matéria-prima das atuais pesquisas - por bagaço de cana.

Mais US$ 5 milhões serão empregados se o resultado for positivo, para pagar os royalties e propriedade industrial à KLE.

A parceria tem o prazo de 18 meses para concluir os testes e, se tudo der certo, a primeira planta de produção de etanol a partir do bagaço de cana deve entrar em funcionamento no Brasil em 2013, segundo a Petrobrás.

"A parceria por 18 meses vai ajudar ambas as empresas no etanol de segunda geração...em alguns processos nossas tecnologias de completam", afirmou Peter Gross, presidente da KLE, presente à divulgação do acordo. A empresa também está em estudos na Colômbia para produção de etanol celulósico, mas não revelou a matéria-prima que será utilizada, "faz parte de um acordo de confidencialidade", explicou.

"Dependendo do resultado dos testes, se houver viabilidade técnica, vamos construir uma unidade em escala maior no Brasil", disse Noschang Neto sem saber informar o volume que poderá ser produzido.

Segundo o executivo, a Petrobrás está cumprindo o seu cronograma para produção de etanol e projeta atingir em 2014 produção de 2,6 bilhões de litros do biocombustível, contra os cerca de 800 mil litros previstos para este ano.

A Petrobrás estava desenvolvendo estudos para produção de etanol a partir do bagaço de cana no Cenpes, centro de pesquisa da estatal no Estado do Rio de Janeiro, mas descobriu que a KLE estava mais avançada, e por este motivo fez a parceria, explicaram os executivos.

(Por Denise Luna)

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrásetanolpesquisasbagaçoKLE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.