Wilton Junior/Estadão - 28/10/2010
Wilton Junior/Estadão - 28/10/2010

Petrobrás inicia venda de 60% de ativos de refino e logística no Sul e Nordeste

Modelo de venda prevê a criação de duas subsidiárias para reunir os ativos que serão negociados nessas regiões

Luana Pavani e Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2018 | 10h27

A Petrobrás anuncia a divulgação de duas oportunidades de desinvestimento na área de refino e logística, reunindo ativos sob duas novas subsidiárias, chamadas Nordeste e Sul, das quais pretende vender 60% de sua participação acionária.

+ Governo conclui a entrega da primeira venda de barris de petróleo do pré-sal

A subsidiária do Nordeste reúne as refinarias Landulpho Alves (RLAM), na Bahia, e Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco, além de dutos e terminais integrados, operados pela Transpetro. São dois terminais aquaviários, Madre de Deus e Suape, e três terminais terrestres - Candeias, Itabuna e Jequié -, além de dois dutos de suprimento de petróleo, um poliduto e 35 dutos de derivados interligando as refinarias às bases e terminais de distribuição.

+ Petrobrás busca novo modelo para vender Liquigás

Já a subsidiária do Sul abrange as refinarias Alberto Pasqualini (REFAP), no Rio Grande do Sul, e Presidente Getúlio Vargas (REPAR), no Paraná, quatro terminais aquaviários - Paranaguá, São Francisco do Sul, Tramandaí, Niterói - e três terrestres - Guaramirim, Itajaí e Biguaçu -, além de dois dutos de suprimento de petróleo, dois polidutos e quatro dutos de derivados.

O anúncio vem na sequência do reposicionamento da companhia no setor de refino, divulgado quinta-feira passada. Na ocasião, a Petrobrás informava apenas a intenção de vender 60% da Rnest (PE), Rlam (BA), Repar (PR) e Refap (RS). Em comunicado interno direcionado aos funcionários, no entanto, a diretoria da companhia dizia que o "reposicionamento no setor prevê também a revitalização do parque de refino do Rio de Janeiro".

A Petrobrás negocia com a chinesa CNPC sociedade no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). As conversas ainda estão em andamento e não há previsão de assinar o acordo, como afirmou o presidente Pedro Parente no último dia 19, em evento na Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

Mais conteúdo sobre:
Petrobrás petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.