Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Petrobras pode receber R$ 4 bilhões em venda de ações da Braskem, diz XP

Instituição vê operação como positiva para a estatal; Serão vendidas 154,9 milhões de ações preferenciais na primeira oferta pública

Wagner Gomes, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2022 | 13h29

O processo de venda de ações da petroquímica Braskem pode dar R$ 4 bilhões para a Petrobras, operação vista como positiva pela corretora de valores XP Investimentos.

No fim de semana, a Braskem informou que a Petrobras e o grupo Novonor (ex-Odebrecht, em recuperação judicial), por meio da holding NSP Investimentos, deram a largada na alienação de suas participações na petroquímica. Eles registraram pedido de oferta pública de distribuição secundária de ações, simultânea no Brasil e no exterior, que pode movimentar até R$ 8,06 bilhões. O período de reserva vai até o dia 26 de janeiro.

 "Lembramos que a Petrobras ainda detém 212,4 milhões de ações ordinárias da Braskem (aproximadamente R$ 11 bilhões). Uma participação que a empresa também pretende alienar", segundo a avaliação dos analistas Andre Vidal, Victor Burke e Thales Carmo, da XP Investimentos, em relatório divulgado nesta segunda-feira, 17.

Nessa primeira oferta pública, serão vendidas até 154,9 milhões de ações preferenciais da série A. As duas sócias manterão o controle da petroquímica neste primeiro momento. Conforme o prospecto preliminar da oferta subsequente publicado no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na madrugada deste sábado, 15, também não haverá colocação de lote adicional ou suplementar.

Para a SEC (Securities and Exchange Commission, regulador do mercado americano parecido com a CVM no Brasil), nos Estados Unidos, foi pedido um "registro de prateleira", o que agiliza a realização de outras ofertas adiante, bastando que seja publicado um prospecto adicional com informações atualizadas sobre a companhia.

 

Tudo o que sabemos sobre:
BraskemPetrobrásXP Investimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.