Petrobrás reduz projeção de crescimento da produção em 2014

Petrobrás reduz projeção de crescimento da produção em 2014

Essa é a primeira vez que a diretoria diminui a meta para os resultados de petróleo em 2014; atraso na entrega de plataformas é uma das explicações dadas

André Magnabosco, Antonio Pita, Fernanda Nunes e Mariana Durão, Agência Estado

17 de novembro de 2014 | 11h28

A diretoria da Petrobrás reduzirá nesta segunda-feira a previsão de crescimento da produção de petróleo no Brasil de 7,5%, com margem de um ponto porcentual para mais ou para menos, para um intervalo entre 5,5% e 6%.

A informação consta no material que será utilizado pelos diretores da estatal para comentar os dados operacionais referentes ao terceiro trimestre. É a primeira vez que a diretoria da Petrobrás anuncia revisão da meta de produção de petróleo no Brasil para o ano de 2014.

A Petrobrás atribui a revisão a problemas de atraso na entrega de plataformas próprias e à necessidade de obras à bordo, atrasos nos processos de licenciamento e atrasos na interligação de alguns poços. Esses fatores, de acordo com a material, foram atenuados por melhor desempenho dos reservatórios do pré-sal, replanejamento de paradas e melhorias de eficiência operacional.

A Petrobrás projeta encerrar o ano de 2014 com 91 poços de petróleo interligados, dos quais 62 produtores. A companhia encerrou os nove meses até setembro com 58 poços, sendo 46 produtores, 12 a mais que em todo ano de 2013.

O anúncio da Petrobrás, embora inédito, não tende a surpreender o mercado financeiro, que já descartava há possibilidade de a meta de 7,5% de crescimento - com margem entre 6,5% e 8,5% - ser cumprida. Entre analistas que acompanham a estatal, a previsão de crescimento da produção de petróleo neste ano está entre 5% e 6% em relação ao número de 1,931 milhão de barris por dia (bpd) reportado em 2013.



Tudo o que sabemos sobre:
petrobraspetroleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.