Petrobras reorganiza participação em petroquímicas

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira uma reorganização no portfólio de participações petroquímicas. A informação, publicada em fato relevante, tem relação direta com empresas criadas para tornar viável o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). A princípio, essas empresas seriam os veículos responsáveis pela construção de diferentes projetos dentro do Comperj.

ANDRÉ MAGNABOSCO, Agencia Estado

14 de junho de 2013 | 18h33

Com a medida anunciada nesta sexta-feira, a Petrobras irá incorporar as empresas Comperj Participações, Comperj Estirênicos, Comperj MEG e Comperj Poliolefinas, simplificando a estrutura societária. Com a incorporação, a Petrobras prevê redução de custos de gestão, maior agilidade e alinhamento nas decisões do negócio, racionalização das atividades e simplificação de procedimentos na realocação dos recursos de investimento. A medida não elevará o capital da Petrobras, uma vez que a incorporação é de subsidiárias integrais, e também não deve alterar em nada o dia a dia dos estudos acerca do Comperj. Quando criou essas empresas, a Petrobras ainda trabalhava com a perspectiva de liderar todos os projetos do Comperj.

Na oportunidade, pensava-se, por exemplo, que a Petrobras seria sócia majoritária em todas as empresas e teria como minoritários parceiros como a Braskem, no caso da Comperj Poliolefinas, e a Oxiteno, na Comperj MEG. Desde então, o modelo do Comperj passou por mudanças e foi desmembrado em dois. O primeiro é a instalação de duas linhas de refino, em construção pela Petrobras. O segundo é a operação de um polo petroquímico, o qual ficará sob a responsabilidade da Braskem.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrasportfóliopetroquímicas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.