Petrobras trabalha para reduzir defasagem de preços

O gerente de Relacionamento com Investidores da Petrobras, Helder Leite, disse que a companhia segue trabalhando para a redução da defasagem entre os preços domésticos e internacionais. Segundo ele, essa é uma das condições para que a empresa atinja sua meta de investimentos até 2017, no que diz respeito a fontes de aportes via fluxo de caixa operacional.

RODRIGO PETRY, Agencia Estado

12 de setembro de 2013 | 21h50

"Estamos trabalhando com essa premissa, de (os preços) estarem alinhados com o mercado internacional. Se isso não se realizar, temos que reeditar o plano", afirmou nesta quinta-feira, 12, durante palestra na ExpoMoney.

O plano de investimentos da companhia para o período de 2013 a 2017 estima US$ 165 bilhões por meio da geração de caixa.

Questionado por investidores sobre a ingerência política na condução da Petrobras, respondeu que a empresa não é "subordinada a A, B ou C". Ele relembrou que, em uma das atas do Comitê de Política Monetária do Banco Central, estava previsto que não haveria reajuste do preço do diesel, o que não se confirmou. "Nós temos os nossos objetivos traçados, temos pressão, mas isso é normal no nosso dia", afirmou.

Ele citou que a defasagem entre os preços internos e externos apresentou seu menor patamar de déficit em abril, em parte pelos reajustes da gasolina, em janeiro, e do diesel, em janeiro e março, além da queda dos preços internacionais. Mas esse cenário mudou com a recente alta do dólar e a valorização do preço do petróleo, pelo efeito Síria. "Todo o esforço se foi, e a defasagem voltou a subir", afirmou, sem outros detalhes sobre a situação neste terceiro trimestre.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobraspreços

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.