Petrobras vê petróleo entre US$40 e US$50 em 2009

Os preços globais do petróleo em 2009 devem ficar em um intervalo entre 40 e 50 dólares o barril, afirmou o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, nesta segunda-feira.

REUTERS

16 de março de 2009 | 15h28

"Eu os vejo nesse intervalo neste ano", disse Gabrielli a repórteres em uma conferência em Nova York.

O petróleo subiu para mais de 47 dólares na segunda-feira devido à percepção de que os cortes de produção pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) já começaram a fazer efeito.

A demanda global por petróleo deve ficar em média em 85 milhões de barris por dia neste ano, disse ele. Isso fica um pouco acima da estimativa feita na semana passada pela Administração de Informação de Energia dos EUA (AIE) de 84,27 milhões de bpd.

Mais cedo, Gabrielli afirmou que a demanda por combustíveis no Brasil começou a se recuperar no primeiro trimestre de 2009 apesar da desaceleração econômica que levou a uma contração de 3,6 por cento no PIB no último trimestre de 2008.

Gabrielli afirmou ainda que a Petrobras não terá problemas para cumprir sua meta de produção de petróleo e outros hidrocarbonetos em 2009.

Nos últimos anos a Petrobras ficou aquém de suas metas de produção devido à manutenção de plataformas e a atrasos na entrega de novas.

"Neste ano será mais fácil atingir nossas metas", disse ele a repórteres. "Já temos a infraestrutura que precisamos."

Gabrielli também afirmou que será "mais difícil acessar" os mercados de capital internacionais em 2009, fator que pode limitar a quantidade de financiamento que consegue angariar a partir de fontes externas. Ele disse que o acesso a financiamento de bancos privados pode se recuperar em 2010.

Uma queda de quase 70 por cento nos preços do petróleo desde julho não levará a nenhuma redução na parcela de lucros que a Petrobras planeja pagar em dividendos a seus acionistas neste ano, disse ele.

(Por Joshua Schneyer)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAPETROBRASATUALIZA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.