Petróleo despenca com anúncio de liberação de reservas

Os futuros do petróleo fecharam em queda acentuada na quinta-feira, com os preços nos EUA tendo a sua menor cotação em quatro meses, por causa da notícia de que grandes nações consumidoras irão usar suas reservas, e também devido à divulgação de novas estatísticas econômicas negativas.

REUTERS

23 de junho de 2011 | 19h32

Uma liberação de 60 milhões de barris de petróleo das reservas estratégicas dos governos foi anunciada pela Agência Internacional de Energia, que reúne 28 países consumidores. A AIE disse que irá liberar 2 milhões de barris por dia, a maioria de petróleo bruto, inicialmente durante um período de 30 dias, como forma de contrabalançar a interrupção no fornecimento do petróleo da Líbia.

Os Estados Unidos responderão por metade do volume, aproveitando a sua enorme reserva de 727 milhões de barris de petróleo bruto, o que equivale a cerca de 1,5 dia de consumo norte-americano. A Europa entrará com 30 por cento do total, e o restante virá de nações da OCDE no Pacífico.

Na Bolsa Mercantil de Nova York, a cotação do petróleo bruto com entrega em agosto teve queda de 4,39 dólares, ou 4,6 por cento, fechando a 91,02 dólares por barril, menor valor desde os 86,20 dólares registrados em 18 de fevereiro. A cotação ao longo da quinta-feira oscilou entre 89,69 e 94,47 dólares.

O petróleo bruto do tipo Brent no mercado futuro teve queda superior a 6 por cento na quinta-feira, também atingindo seu menor valor em quatro meses. No começo da sessão, antes do anúncio da AIE, o motivo da queda era a divulgação de dados econômicos negativos nos EUA e na China.

O Brent com entrega em agosto fechou em 107,26 dólares por barril, uma queda de 6,95 dólares, ou 6,1 por cento. O volume negociado superou 1 milhão de lotes, um recorde.

Ao longo do dia, a cotação oscilou entre 105,72 e 113,40 dólares. O valor de fechamento foi o menor desde os 105,78 dólares de 22 de fevereiro, e a queda em termos percentuais foi a maior desde a baixa de 8,6 por cento em 5 de maio.

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAPETROLEOFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.