Brian Snyder/Reuters - 21/6/2021
Brian Snyder/Reuters - 21/6/2021

Pfizer compra a Trillium, de tratamentos para câncer, por US$ 2,3 bilhões

Produtos da empresa adquirida têm o efeito de aumentar a capacidade do sistema imunológico de pacientes

Sofia Aguiar, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2021 | 14h05

A Pfizer anunciou, nesta segunda-feira, 23, um acordo de aquisição da Trillium Therapeutics, empresa que desenvolve terapias inovadoras para o tratamento do câncer. Sob os termos da negociação, a fabricante de vacinas vai adquirir todas as ações em circulação da Trillium ainda não pertencentes à Pfizer por cerca de US$ 2,26 bilhões, ou US$ 18,50 por ação, em dinheiro. O preço representa um prêmio de 118% em relação ao preço médio ponderado da ação em 60 dias.

O portfólio da Trillium inclui produtos biológicos que são projetados para aumentar a capacidade do sistema imunológico inato dos pacientes de detectar e destruir células cancerosas. Suas duas moléculas principais, TTI-622 e TTI-621, bloqueiam proteínas de sinalização envolvidas em cânceres de sangue e são testadas em humanos em vários tipos de doenças. 

"O anúncio reforça nosso compromisso em buscar avanços científicos com a adição de moléculas potencialmente melhores da classe ao nosso pipeline inovador", disse Andy Schmeltz, presidente global da Pfizer Oncology. Chris Boshoff, diretor de desenvolvimento de oncologia da Pfizer, declarou, em comunicado, que os primeiros dados clínicos para ambas as moléculas são encorajadores.

O presidente da Trillium, Jan Skvarka, afirmou que a expectativa é que, com o alcance global e capacidade da Pfizer, "nossos programas avançarão mais rapidamente para os pacientes que sempre desejamos atender". "Acreditamos que este seja um bom resultado para os pacientes e nossos acionistas", destacou.

Em setembro passado, como parte de sua iniciativa de crescimento, a Pfizer investiu US$ 25 milhões na Trillium. 

Tudo o que sabemos sobre:
Pfizervacinacâncermedicina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.