Henny Ray/AFP
Henny Ray/AFP

Donas do Botox e Viagra anunciam fusão e criam maior farmacêutica do mundo

Negócio está avaliado em US$ 155 bilhões; após fusão, operação da Pfizer deve sair dos EUA para pagar menos impostos

O Estado de S. Paulo

23 de novembro de 2015 | 10h48

NOVA YORK - A Pfizer, fabricante do Viagra, e a Allergan, que produz o Botox, afirmaram nesta segunda-feira que realizarão uma fusão, em um chamado acordo de investimento de cerca de US$ 155 bilhões. O negócio criará a maior farmacêutica do mundo em vendas. 

A fusão também mudará um dos principais nomes das corporações dos Estados Unidos para um país estrangeiro. Acordos como esse permitem que uma companhia norte-americana se mude para o exterior e com isso pague impostos menores em outro país. As iniciativas do tipo permanecem populares, mesmo diante de esforços dos EUA para contê-las.

Para ajudar a garantir impostos mais baixos, o acordo será estruturado tecnicamente como uma fusão reversa, com a Allergan, sediada em Dublin, que é menor, comprando a Pfizer, sediada em Nova York. As empresas disseram que a nova companhia terá o nome de Pfizer PLC e será negociada na bolsa sob o símbolo PFE, símbolo usado atualmente pela Pfizer na New York Stock Exchange (Nyse).

Pelos termos do acordo, as companhias trocarão 11,3 ações da Pfizer por cada ação da Allergan. O negócio envolve ainda entre US$ 6 bilhões e US$ 12 bilhões em dinheiro.

O executivo-chefe da Pfizer, Ian Read, liderará a companhia resultante, com o executivo-chefe da Allergan, Brent Saunders, assumindo a função de diretor de operações. Read é um crítico dos impostos cobrados às companhias norte-americanas, que segundo ele colocam essas empresas em desvantagem ante rivais de outros países. 

A taxa de impostos da Pfizer está em 25%, a maior entre as principais do setor, segundo a Evercore ISI. Com o negócio com a Allergan, a Pfizer reduzirá essa taxa para abaixo de 20%, estimam analistas. A Allergan paga cerca de 15% atualmente.

O Departamento do Tesouro divulgou na semana passada novas regras para evitar esses acordos de investimento com o objetivo de reduzir o pagamento de impostos. 

Analistas disseram que as regras não parecem ser capazes de conter a fusão da Pfizer e da Allergan, ainda que exista um risco de uma ação do governo dos EUA para impedir o negócio. Para o acordo ir adiante, as empresas necessitarão de aprovação de reguladores antitruste pelo mundo.

(As informações são da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
pfizerbotoxviagraAllergan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.