PIB do Japão tem queda anual de 3,7% no 1º trimestre

Resultado põe o país numa recessão, uma vez que o terremoto e o tsunami de março causaram quedas nos gastos dos consumidores, nos investimentos e nos estoques do setor privado

Hélio Barboza, da Agência Estado,

19 de maio de 2011 | 01h29

A economia do Japão sofreu uma contração muito pior do que a esperada no primeiro trimestre deste ano, com queda de 3,7% em relação ao mesmo período do ano passado, mergulhando o país numa recessão, uma vez que o terremoto e o tsunami de 11 de março causaram declínios nos gastos dos consumidores, nos investimentos das empresas e nos estoques do setor privado.

A taxa de contração foi quase o dobro da queda anualizada de 2% esperada por economistas consultados pela Dow Jones. De acordo com os dados divulgados pelo governo nesta quinta-feira, o Produto Interno Bruto (PIB) do Japão caiu 0,9% na comparação com o quarto trimestre de 2010, em bases ajustadas aos preços, no segundo trimestre consecutivo de declínio.

O tombo do primeiro trimestre foi o maior desde a contração recorde de 18,3% nos primeiros três meses de 2009, conforme os dados do Escritório do Gabinete de Governo. No último trimestre de 2010, o PIB japonês havia encolhido a uma taxa anualizada de 3%.

Esta sequência de duas quedas trimestrais do PIB - que costuma ser definida como recessão técnica - é também a primeira contração sucessiva desde os quatro trimestres entre abril de 2008 e março de 2009, em meio à crise financeira global.

O dado sublinha como a catástrofe de março frustrou as expectativas de que a economia japonesa, puxada pelas exportações, escapasse de uma hibernação no primeiro trimestre, à medida que aumentasse a demanda externa. Antes que o Japão fosse atingido por seu pior desastre natural em décadas, alguns economistas previam um crescimento anualizado ao redor de 2% ou 3% nos primeiros três meses do ano.

Muitos analistas acham que a recessão pode se aprofundar no período abril-junho, uma vez que, na esteira da catástrofe, problemas ainda não resolvidos na cadeia de suprimento nacional continuam a interromper a produção. Mas os economistas também esperam que a economia japonesa se recupere na segunda metade do ano, apoiada nos gastos do governo para recuperar o nordeste do país e à medida que as indústrias domésticas restabeleçam seus canais de suprimento, removendo impedimentos à produção e às exportações.

Durante o trimestre janeiro-março, a demanda doméstica enfraquecida cortou 0,8 ponto porcentual do crescimento econômico, segundo os dados do governo. Os gastos dos consumidores caíram 0,6% no período, no segundo trimestre seguido de declínio. O investimento das empresas também caiu 0,9% no trimestre, na primeira baixa em seis trimestres. Essa debilidade da demanda privada mais do que anulou o aumento de 1% nos dispêndios do governo, a maior expansão em três trimestres, em meio aos esforços de ajuda humanitária.

Como a interrupção da produção forçou muitas indústrias a depender de seus estoques para atender à demanda, os estoques do setor privado encolheram, tirando 0,5 ponto porcentual do PIB trimestral, conforme os dados do Escritório do Gabinete de Governo. Contrariando as expectativas, as exportações aumentaram 0,7%, no primeiro crescimento em dois trimestres.

As importações aumentaram 2%, crescendo pela primeira vez em dois trimestres em meio à alta global dos preços do petróleo. O deflator do PIB, termômetro mais amplo das tendências de preço, caiu 1,9% em relação ao mesmo período do ano anterior, depois de recuar 1,6% no trimestre outubro-dezembro. As informações são da Dow Jones.

(Texto ampliado às 7h40)

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.