PicPay
PicPay

Com compra do Guiabolso, PicPay adiciona 6 milhões de usuários

Com a desistência de IPO, por falta de apetite de investidores, marketplace financeiro - controlado pela holding J&F - anuncia aquisição de plataforma de gestão financeira; valor da transação não foi anunciado

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2021 | 11h38
Atualizado 24 de julho de 2021 | 00h08

O marketplace financeiro PicPay, controlado pela holding J&F, da família Batista, adquiriu a plataforma de gestão financeira Guiabolso. Com isso, vai absorver 6 milhões de usuários da fintech e R$ 1 bilhão em crédito concedido por meio de parceiros. O valor da transação não foi revelado.

A aquisição, de acordo com o presidente do PicPay, José Antonio Batista, está alinhada à estratégia da empresa em relação ao open banking, sistema que vai permitir o compartilhamento de informações entre agentes do setor financeiro e que deve dar um impulso ao setor de crédito no País. 

O negócio veio semanas depois do adiamento da abertura de capital do marketplace e do anúncio de uma bilionária injeção de capital por parte dos acionistas, que são donos da gigante de alimentos JBS.

“A aquisição visa a posicionar o PicPay como protagonista do open banking, além de acelerar a nossa operação de marketplace financeiro, que já conta com cartão, crédito pessoal e empréstimo entre pessoas”, diz Batista, em nota à imprensa.

Fundado em 2012, assim como o PicPay, o Guiabolso tem 200 funcionários. Todo o time da plataforma será integrado aos cerca de 3 mil colaboradores da empresa de pagamentos da holding J&F.

Rodadas de investimentos anteriores no Guiabolso incluíram, nos últimos anos, fundos conhecidos, como Vostok, Kaszek, Ribbit Capital, QED Investors, Omidyar Network e IFC, que venderam integralmente suas fatias no negócio.

Embora as partes não tenham revelado o valor do acordo, Batista afirmou à Reuters que a maior parte da operação foi feita em dinheiro. Os sócios fundadores do Guiabolso, Thiago Alvarez e Benjamin Gleason, assumirão também uma participação minoritária no PicPay.

Fundado em Vitória (ES) em 2012 como carteira digital, o PicPay ganhou força após ser comprado pelo grupo J&F, passando a atuar como marketplace financeiro, loja digital e portal de anúncios.

Estreia em NY adiada

Com 55 milhões de usuários, o PicPay adiou recentemente seus planos de abrir capital (IPO, na sigla em inglês) na Nasdaq, pregão que concentra negócios de tecnologia, após não obter dos investidores internacionais o valor que considerava justo por suas ações, conforme noticiou o Estadão/Broadcast.

No lugar, a holding J&F Participações vai aportar um volume da ordem de R$ 3 bilhões para bancar o plano de expansão da carteira digital nos próximos anos. A estreia na Bolsa americana ficou agora para o fim de 2022 ou para 2023. A previsão de movimentação, porém, ainda é alta, de cerca de R$ 20 bilhões. 

A busca por alternativas para atrair investidores novatos com ofertas de crédito e de orientação financeira, de olho no potencial do open banking, já motivou, em junho, a Goldman Sachs Asset Management a anunciar um investimento de R$ 2,1 bilhões na fintech Meu Tudo. /COM INFORMAÇÕES DA REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
PicPayNasdaqJ&F

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.