Pilotos da Iberia vão parar 30 dias entre abril e julho

Pilotos da Iberia disseram nesta terça-feira que vão fazer 30 dias de greve contra o início das operações de uma unidade de baixo custo, que veem como ameaça aos empregos e condições de trabalho.

REUTERS

27 de março de 2012 | 14h44

A classe acusa o lançamento da Iberia Express de violar acordos tratados quando Iberia e British Airways se uniram para formar a International Airlines Group.

IAG e Iberia acreditam que o lançamento da companhia é a única maneira de fazer a unidade espanhola se tornar rentável.

Em comunicado, a companhia aérea chamou o sindicato de "irresponsável", considerou a greve "injustificável, prejudicial e descabida" e convidou os representantes dos pilotos para negociarem nesta semana e evitarem uma ação coletiva.

Os pilotos da Iberia vão cruzar os braços às segundas e sextas-feiras de 9 abril a 20 de julho, segundo o sindicato Sepla.

"A companhia quer repassar 40 aviões do grupo principal para a nova subsidiária, o que pode significar a eliminação de 8 mil postos de trabalho", disse a Sepla.

Os pilotos fizeram 12 dias de greve entre dezembro e março, mas suspenderam as paralisações depois que as partes aceitaram negociar. As conversas emperraram no domingo.

(Por Robert Hetz e Sarah Morris)

Tudo o que sabemos sobre:
AEREASIBERIAGREVE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.