Itapemirim/ Divulgação
Itapemirim/ Divulgação

Pilotos pedem na Justiça que ITA pague salários e benefícios atrasados

Ação requer indenização por dano moral coletivo devido ao não recolhimento do FGTS

Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

18 de novembro de 2021 | 20h41

O Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), que representa pilotos e tripulantes de voos, entrou, nesta quinta-feira, 18, com uma ação coletiva na Justiça contra a empresa aérea ITA, do grupo Itapemirim. A entidade pede a regularização do pagamento de salários atrasados, diárias de alimentação e vale-alimentação, além do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

De acordo com o SNA, parte dos trabalhadores não recebeu o salário referente a outubro - que deveria ter sido quitado até o quinto dia útil de novembro. Na ação, o sindicato pede uma indenização por dano moral coletivo devido ao não recolhimento do FGTS por parte da empresa durante quase todo 2021.

A companhia, que começou a operar voos em julho, já havia recebido reclamações de funcionários em agosto por atrasar pagamentos. Na semana passada, surgiram novas reclamações, e o SNA enviou um ofício à empresa para pedir esclarecimentos sobre a falta de pagamentos.

Segundo o sindicato, o vale alimentação está atrasado há dois meses. O benefício de R$ 470 é pago a funcionários que recebem menos de R$ 5.200. No caso das diárias de alimentação, cujo valor varia conforme o número de horas trabalhadas por dia, o atraso é de 13 dias. 

Em nota, a assessoria de imprensa da ITA informou que já estava em negociação com o sindicato da categoria e que os pagamentos estão sendo feitos dentro do prazo estipulado em comum acordo com o SNA. Afirmou ainda que aguarda parecer da Caixa Econômica Federal para parcelar os valores do FTGS. “Caso ocorra a negativa pela instituição financeira, a Itapemirim depositará integralmente o montante”, diz o texto.

Apesar de fazer parte do grupo Itapemirim, que está em recuperação judicial, a companhia aérea não se encontra na mesma situação. Ainda assim, a administradora judicial do grupo, a EXM Partners, destacou, em relatório referente a setembro, que a ITA já consumiu R$ 39,9 milhões do grupo. A EXM afirmou também já ter pedido esclarecimentos da empresa, mas que o grupo alegou sigilo de mercado para não apresentá-los.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.