Pimentel nega protecionismo em encontro Brasil-Alemanha

MInistro afirmou que os dois países 'são duas economias quase absolutamente complementares'

Gustavo Porto e Ricardo Leopoldo, da Agência Estado,

13 de maio de 2013 | 11h01

O ministro do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, disse nesta terça-feira, na abertura do Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2013, em São Paulo, que os dois países "são duas economias quase absolutamente complementares", cuja cooperação entre ambas é "cada vez mais efetiva".

Pimentel lembrou que o Brasil será sempre grande produtor agrícola e de recursos minerais e que almeja "ser uma economia industrial de ponta, no estado da arte do século 21", como é a Alemanha. "A complementaridade se dará na área de inovação e o segmento mais inovador da Alemanha é o de pequenas e médias empresas que queremos trazer; queremos aprender com humildade", disse.

Apesar das constantes críticas sobre o protecionismo do Brasil, o ministro avaliou ainda que o "nosso mercado não é fechado para nenhum país, inclusive da Alemanha".

Anne Ruth Herkes, secretária de Estado do Ministério da Economia e Tecnologia da Alemanha, defendeu o investimento de pequenas e médias empresas alemãs no País, mas citou a crise da Zona do Euro como entrave. "Não podemos ter expectativas excessivas diante das condições Zona do Euro", afirmou Anne Rutth que cobrou a redução das barreiras ao comércio em seu pronunciamento.

Já o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, refutou as criticas sobre o protecionismo brasileiro à indústria de transformação e provocou os alemães durante o Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2013, em São Paulo (SP). "Dizem que o Brasil protege, mas muitas vezes outros países têm mais protecionismo, como a própria Alemanha", afirmou.

Andrade lembrou que o déficit comercial brasileiro soma US$ 6 bilhões em 2013, mas avaliou que o Brasil tem problemas de produtividade e competitividade. O presidente da CNI considerou que a pauta comercial entre Brasil e Alemanha é pequena e que os alemães têm "uma vantagem enorme" na balança da indústria de transformação, sem, no entanto, citar números.

Tudo o que sabemos sobre:
encontroBrasil-Alemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.