Plano de recuperação da GM prevê venda de ativos ao governo

O planos da General Motors Corp's para entrar com pedido de recuperação judicial incluem uma venda de parte dos ativos "saudáveis" da companhia a uma nova empresa, inicialmente pertencente ao governo dos Estados Unidos, disse nesta terça-feira uma fonte com conhecimento da situação.

CHELSEA EMERY E TOM HALS, REUTERS

19 de maio de 2009 | 16h36

A fonte, que pediu para não ser identificada uma vez que não poderia falar com a imprensa, não especificou um preço de compra. É esperado que a nova empresa respeite, possivelmente no total, suas obrigações garantidas aos credores, segundo a fonte.

O restante dos ativos da GM permaneceria sob proteção judicial para cumprir quaisquer outras reivindicações pendentes.

A GM tem por volta de 6 bilhões de dólares em dívida segurada, incluindo dívidas bancárias.

Os planos do governo norte-americano incluem ceder participação na nova empresa ao sindicato da GM e ao detentores de bônus, apesar da estrutura de propriedade da empresa ainda estar sendo negociada, afirmou a fonte com conhecimento dos planos da empresa.

Além disso, o governo também concederia uma linha de crédito à nova empresa e perdoaria a maior parte dos 15,4 bilhões de dólares em empréstimos emergenciais que os EUA já providenciaram para a GM, disse a fonte.

O governo determinou o prazo de até 1o de junho para a GM reestruturar suas operações, para diminuir o peso da sua dívida e custo por funcionário.

Caso as negociações falhem, a empresa afirmou que seguiria o exemplo da concorrente Chrysler LLC e pediria proteção à falência.

A criação de uma nova empresa para comprar os ativos saudáveis visa tranquilizar consumidores que podem não querer fazer uma compra de uma empresa falida, com medo de que esta não irá respeitar garantias ou providenciar serviços.

O conselho da nova empresa seria determinado com a aprovação implícita do governo. Fritz Henderson, que assumiu a liderança da GM no início do ano após o governo ter pressionado a saída de Rick Wagoner, provavelmente chefiaria a nova empresa, disse a fonte.

A GM não pode ser contatada imediatamente para comentar.

Tudo o que sabemos sobre:
AUTOSGMVENDA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.