Plano para cortar dívida da Grécia com setor privado pode sair em janeiro

Segundo funcionários do IIF, que representa mais de 400 instituições financeiras, projeto deve incluir uma ou duas soluções possíveis

Gabriel Bueno, da Agência Estado,

17 de novembro de 2011 | 18h33

Um plano para os detentores de bônus reduzirem o valor da dívida da Grécia pode ser implementado já a partir do início de janeiro, após a aprovação do segundo pacote de ajuda ao país europeu, disseram nesta quinta-feira, 17, funcionários do  Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês).

O IIF e os detentores de bônus esperam chegar a um acordo com funcionários gregos nas próximas semanas, disse o diretor-gerente da instituição, Charles Dallara, em entrevista coletiva em Frankfurt. O IIF representa os interesses de mais de 400 instituições financeiras e teve um papel crucial na negociação dos termos do haircut (desconto) na dívida da Grécia em nome dos bancos.

As negociações sobre a participação do setor privado na ajuda à dívida da Grécia deve incluir uma ou duas soluções possíveis. Em julho, foram apresentadas quatro propostas sobre a questão.

Dallara se reúne com representantes de bancos em Frankfurt esta semana para discutir os termos do plano de outubro da zona do euro para aliviar a dívida grega. Os detentores dos bônus devem aceitar uma redução de 50% no valor nominal dos bônus da Grécia. Os termos exatos do acordo ainda estão sendo fechados pelo IIF, pelos detentores dos bônus e por autoridades gregas. A Grécia deve 206 bilhões de euros a credores do setor privado.

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
planogreciasetor privado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.