Poço Franco deve ser usado para capitalizar Petrobras

O poço Franco, localizado no pré-sal da Bacia de Santos, ?é o candidato número 1? para ser cedido à Petrobras no processo de capitalização que o governo pretende realizar na empresa, afirmou ontem o secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, Marco Antonio Almeida. ?Franco é uma área que tem poço perfurado, já tem descoberta identificada, é maravilhosa, uma das melhores do Brasil, hoje. É o candidato número 1 para a cessão onerosa?, disse Almeida, depois de participar de evento para a divulgação do Plano Decenal de Expansão de Energia, na sede do Ministério de Minas e Energia.

AE, Agencia Estado

21 de maio de 2010 | 08h39

O projeto de capitalização proposto pelo governo prevê que, da parte do União, a injeção de recursos será feita por meio da cessão de reservas equivalentes a 5 bilhões de barris do pré-sal, em troca de ações da empresa. Para isso ser feito, entretanto, a Agência Nacional do Petróleo (ANP) precisa localizar a área que será cedida. Na semana passada, a ANP anunciou que o poço Franco tem reservas recuperáveis de cerca de 4,5 bilhões de barris, praticamente a mesma quantidade necessária para a capitalização.

Apesar de afirmar que esse poço é o favorito, Almeida disse que isso não significa que será ele o escolhido. ?Só vai ficar definido quando assinarmos o contrato e lá constar o poço Franco.? O governo ainda aguarda a aprovação, pelo Senado, do projeto que autoriza a capitalização da Petrobrás por meio da cessão onerosa de reservas.

Almeida deixou claro que a assinatura do contrato de cessão não será feita imediatamente após a aprovação pelo Congresso. Isso porque, segundo ele, é preciso concluir a análise da área a ser escolhida e ainda a certificação da quantidade de petróleo ali contida. Caberá à ANP contratar essa empresa que fará a certificação. Segundo Almeida, a expectativa é de que a valoração e certificação da área seja concluída entre setembro e outubro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.