Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Por telefone, Lula e Blair discutem fracasso de Doha

Brasília, 22 - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu hoje, às 12h40, um telefonema do primeiro-ministro britânico, Tony Blair, que se mostrou preocupado com o fracasso das negociações do G-4 (Estados Unidos, União Européia, Brasil e Índia) na tentativa de chegar a um pré-acordo para a Rodada Doha, da Organização Mundial do Comércio (OMC), informou o porta-voz do Palácio do Planalto, Marcelo Baumbach.Na conversa, que durou cerca de 20 minutos, Blair disse a Lula, segundo o porta-voz, que as próximas 48 horas serão decisivas para a Rodada Doha e que contava com uma atuação de Lula no sentido de salvar a Rodada. Blair não deixou de reforçar a posição apresentada ontem pelos Estados Unidos e a União Européia, que levou o Brasil e a Índia a se retirarem das negociações.Lula insistiu em que a ausência de equilíbrio entre as demandas e ofertas dos países desenvolvidos levou ao fracasso as negociações ocorridas em Potsdam. O presidente brasileiro aproveitou a conversa com Blair para retomar sua antiga proposta de realização de um encontro de líderes mundiais para que decisões políticas sejam tomadas em favor da conclusão da Rodada.Conforme Lula argumentou a Blair, o campo de negociações técnicas está esgotado e, neste momento, apenas a vontade política de apresentar concessões tornaria viável o acordo final da Rodada Doha. "A chave agora está no diálogo político e na melhoria das ofertas das economias mais ricas", resumiu o porta-voz.A Lula, o primeiro-minsitro britânico disse que o Brasil precisa aceitar o Coeficiente 20 da Fórmula Suíça. Essa demanda significaria o corte da atual tarifa máxima que o Brasil pode aplicar à importação de bens industriais de 35% para 12,73%.De acordo com Baumbach, Lula respondeu a Blair que a demanda de europeus e americanos é demasiadamente ambiciosa e que o Brasil continuará defendendo um corte em torno do Coeficiente 30 - que derruba a tarifa máxima de 35% para 16%. Lula disse a Blair que o Brasil continuará a contribuir para o resultado positivo da Rodada, mas que essa solução depende da melhoria da oferta da União Européia e dos Estados Unidos na área agrícola e da redução de suas expectativas em relação à abertura dos mercados industriais dos países em desenvolvimento.Em princípio, não estão previstas conversas telefônicas sobre o assunto entre Lula e outros líderes sobre o assunto. Blair se comprometeu a levar o teor dessa conversa a homólogos europeus, e ambos deverão manter o diálogo ao longo do final da semana.

Denise Chrispim Marin

15 de julho de 2007 | 12h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.