Portugal pode precisar aumentar impostos para reduzir déficit, diz OCDE

Na semana passada, o maior partido de oposição de Portugal afirmou que não vai aprovar o orçamento se o governo insistir em mais aumentos de impostos

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de setembro de 2010 | 14h41

Portugal tem de cumprir as planejadas medidas de austeridade e pode precisar aumentar mais os impostos para reduzir seu déficit orçamentário, afirmou a Organização para a Cooperação Econômica e o Desenvolvimento (OCDE). Angel Gurria, secretário-geral da instituição, disse que Portugal precisa de unidade política em apoio à consolidação das finanças públicas para recuperar a confiança dos investidores.

"O melhor caminho para recuperar a confiança é uma rápida redução do déficit", disse Gurria. Na semana passada, o maior partido de oposição de Portugal, o Social Democrata, afirmou que não vai aprovar o orçamento se o governo insistir em mais aumentos de impostos.

As preocupações com Portugal têm aumentado em meio às dúvidas sobre a capacidade do governo de minoria em obter aprovação para o orçamento de 2011 e atender as metas de redução do déficit. O primeiro-ministro português, José Sócrates, tem afirmado que o governo não pode funcionar sem um orçamento.

Em uma tentativa de acabar com o impasse, o presidente do país, Aníbal Cavaco Silva, pediu que os representantes de partidos políticos realizem reuniões na terça e na quarta-feira. "Eu espero que não haja uma crise política em Portugal", disse Cavaco Silva na sexta-feira ao canal local SIC Notícias. "Eu confio no senso de responsabilidade das diversas forças políticas", acrescentou.

Falando ao lado de Gurria nesta segunda-feira, o ministro de Finanças de Portugal, Fernando Teixeira dos Santos, disse que sólidas finanças públicas são a prioridade imediata do governo, "fundamental para a recuperação da confiança dos investidores". O ministro reconheceu, no entanto, que o país está em "uma situação particularmente difícil" e disse que o governo vai continuar seu programa de reformas estruturais, incluindo reformas do mercado de trabalho e do sistema educacional.

O governo também vai propor em breve uma legislação que estabeleça limites para os gastos orçamentários dentro de uma estrutura de planejamento plurianual, segundo o ministro.

As informações são da Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
PortugalcomérciodéficitOCDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.