Portugal Telecom fecha acordo para comprar fatia na Oi

A ?supertele nacional? está prestes a se tornar luso-brasileira. A Portugal Telecom (PT) fechou um acordo para comprar uma participação de 23% na brasileira Oi por aproximadamente 3,75 bilhões. Segundo fontes de mercado, o negócio, que tem o aval do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deve ser oficializado hoje, se tudo correr bem.

AE, Agencia Estado

28 de julho de 2010 | 08h04

A venda ocorre depois de o governo ter adotado um discurso nacionalista para mudar a legislação e permitir que a Oi comprasse a Brasil Telecom, em 2008. Os bancos estatais chegaram a colocar R$ 6,9 bilhões na operação, para proteger a operadora da concorrência dos espanhóis da Telefónica e dos mexicanos da América Móvil, dona da Embratel e da Claro. Menos de dois anos depois, a empresa já começa a se desnacionalizar.

O presidente do Banco Espírito Santo (BES), Ricardo Salgado, estava ontem no Rio de Janeiro para finalizar o acordo. O BES é o maior acionista individual da PT, com 7,99%. O conselho de administração da PT se reúne hoje em Lisboa e deve avaliar a compra da participação na Oi e a venda dos 30% que a empresa tem na Vivo para a Telefónica. Os dois movimentos devem ser simultâneos. A expectativa é de que o acordo seja anunciado depois dessa reunião.

A Oi e a PT preferiram não comentar o assunto. A Telefónica chegou a oferecer 7,15 bilhões pelos 30% da PT na Vivo. Apesar de a oferta ter sido aprovada pela maioria dos acionistas da empresa, o governo português vetou a venda, usando sua golden share (ação com direitos especiais). O primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates, justificou que a presença no Brasil era estratégica para a PT e para o seu país. Depois disso, procurou articular com o governo brasileiro uma saída para a situação. O acordo com a Oi foi resultado dessa articulação política. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.