Positivo demite cerca de 10% de seus funcionários

A Positivo Informática, maior fabricante de computadores do Brasil, iniciou esta semana uma série de demissões. As primeiras informações são de que 600 funcionários efetivos perderão o emprego. As rescisões homologadas pelo sindicato devem se estender até amanhã, quando será possível saber o número exato. Em relação aos temporários, o sindicato não tem controle.

AE, Agencia Estado

22 de dezembro de 2010 | 11h09

Sediada em Curitiba, a Positivo, que viu os lucros despencarem no terceiro trimestre do ano, divulgou apenas uma frase, por meio da assessoria de imprensa: ?O processo de reestruturação e demissão por conta da sazonalidade foi concluído?. Não foi dado qualquer outro detalhe sobre o total de demitidos.

A assessoria de imprensa do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares (Seletroar) disse que as demissões neste período do ano não chegam a surpreender, em razão de que muitas empresas, entre elas a de computação, obedecem à sazonalidade, concentrando a produção no período imediatamente anterior ao fim do ano.

No entanto, como a empresa até então não havia se pronunciado, até mesmo o sindicato suspeitava que a Positivo poderia se aproveitar da sazonalidade para fazer uma reestruturação interna e se adaptar às novas exigências do mercado.

A direção do sindicato não soube precisar quantos funcionários efetivamente serão demitidos. Um comentário circulou ontem, no sindicato, de que a empresa havia recuado na intenção de demitir 180 pessoas, em razão de novos pedidos que teriam chegado nos últimos dias. Mesmo assim, o corte superaria o número de 400 empregados. De acordo com o Seletroar, no ano passado, neste mesmo período, também foram demitidos aproximadamente 600 funcionários, mas o número incluía efetivos e temporários. A empresa tem cerca de 6 mil funcionários. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
informáticademissõesPositivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.