Paulo Whitaker/Reuters
Nubank: banco digital tem 48 milhões de clientes Paulo Whitaker/Reuters

Nubank alcança preço de US$ 9 por ação em IPO e se torna banco mais valioso da América Latina

Em moeda local, o banco digital é avaliado em R$ 233 bilhões, à frente de Itaú (R$ 213 bilhões), que era o líder da região em valor de mercado até agora; operação pode puxar 'fila' de fintechs brasileiras rumo a NY

Fernanda Guimarães, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2021 | 18h55
Atualizado 09 de dezembro de 2021 | 05h50

O Nubank fincou a bandeira na Bolsa e virou a instituição financeira mais valiosa na América Latina. A fintech alcançou nesta quarta-feira, 8, o preço de US$ 9 por ação em sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). A esse valor, o banco estreará amanhã na Bolsa de Nova York (Nyse) e na brasileira, a B3, valendo US$ 41,5 bilhões logo partida – ou R$ 233 bilhões, considerada a taxa de câmbio a R$ 5,60.

Com essa avaliação, a fintech ultrapassa o valor de mercado do Itaú Unibanco, de R$ 213 bilhões na B3. Ainda no mercado local, o Bradesco tem um valor de mercado de R$ 188 bilhões. A seguir vêm Santander (R$ 125 bilhões) e o Banco do Brasil (R$ 93 bilhões). O também banco digital Inter, por sua vez, vale atualmente R$ 32 bilhões.  

Na oferta, o banco do cartão roxo arrecadou US$ 2,6 bilhões, considerado apenas o lote principal de papéis. O dinheiro que será utilizado, por exemplo, para gastos com capital de giro e despesas operacionais, segundo aponta a instituição no prospecto da operação.  Fora isso, os recursos levantados poderão ser utilizados em investimentos e aquisições.

A estreia da instituição financeira, na Nyse e B3, ocorrerá nesta quinta-feira, 9. O código de negociação escolhido foi “NU”. Por aqui, o papel que será negociado será uma BDR, que é um certificado de uma ação listada fora. Isso ocorrerá porque a bolsa dos Estados Unidos será o mercado primário da fintech. No Brasil, o código será “NUBR33”.

Apesar de ser uma das ofertas de 2021 mais aguardadas em todo o mundo, o Nubank não atravessou ileso à maior volatilidade do mercado, situação piorada com a variante Ômicron provocando ainda mais dúvidas sobre o crescimento da economia global em 2022.

Passando pela tempestade

Além de ter cortado suas ambições de preço (que inicialmente iam até US$ 11), o Nubank costurou com um grupo de fundos globais uma intenção de investimento no IPO, que somou US$ 1,3 bilhão, o que ajudou para que a instituição financeira conseguisse driblar a alta volatilidade do mercado nas últimas semanas.

Além da oferta ter sido acompanhada de perto pelos grandes bancos brasileiros, os digitais globais também olharam todo o processo com uma lupa, já que a leitura é de que essa oferta servirá como base para outros IPOs do setor que já estão na fila para vir a mercado, entre elas Ebanx e Hotmart, conforme adiantou a Coluna do Broadcast.

Foram coordenadores da oferta os gigantes Morgan Stanley, Goldman Sachs e Citi, além do próprio Nubank, por meio de seu braço de investimentos, o Nu Invest.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Oferta de ações do Nubank é a terceira maior dos EUA no ano de 2021

Empresa brasileira fica atrás apenas da sul-coreana Coupang e da chinesa Didi; Nubank arrecadou US$ 41,7 bilhões no IPO e se tornou a maior instituição financeira da América Latina

Altamiro Silva Júnior e Matheus Piovesana, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2021 | 20h29

Além de ter se tornado o maior banco da América Latina ao arrecadar US$ 41,7 bilhões em seu IPO (oferta inicial de ações), o Nubank também fez a terceira maior oferta de ações do mercado americano de 2021, até o momento. A instituição brasileira fica atrás somente da sul-coreana Coupang e da chinesa Didi, desbancando negócios badalados como o aplicativo de namoro Bumble e a corretora online Robinhood.

Desde que os documentos do IPO foram enviados às autoridades americanas, os solavancos do mercado geraram, porém, algumas avaliações mornas a respeito dos preços que o Nubank pedia por suas ações. Casas como a Suno Research e a Nord, com foco em pequenos investidores locais, desencorajaram a entrada de seus clientes no IPO.

A Suno manteve a avaliação mesmo após o Nubank cortar a faixa indicativa de preço dos papéis, para o intervalo entre US$ 8 e US$ 9 por ação. O corte do preço em relação à faixa inicial (US$ 10 a US$ 11) fez com que o banco digital abrisse mão de quase US$ 10 bilhões para passar por um momento pouco amigável dos mercados. 

Porém, o banco encontra muita boa vontade no mercado. Para a presidente da Tresalia Capital, María Asuncion Aramburuzabala, o sucesso do IPO do Nubank é positivo para a América Latina, pois valida as teses de empreendedores da região e ajuda a estimular projetos. “Cria um círculo virtuoso e transforma Vélez em um ícone, todos querendo ser como ele”, disse ela, em evento da Eurasia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.