Preço do boi em SP sobe apesar da UE e da Rússia, diz Cepea

O preço da arroba do boi gordonegociado a prazo no Estado de São Paulo subiu 1,42 por centoentre 1o e 13 de fevereiro, para 75,54 reais, apesar dasproibições às importações da carne brasileira por doisimportantes destinos, informou o Centro de Estudos Avançados emEconomia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP. "Mesmo com a suspensão das compras da carne brasileira porparte da União Européia (para todo o Brasil) e da Rússia(somente para o Mato Grosso), os preços do boi gordo e da carnecom osso negociada na Grande São Paulo estão registrandosignificativas altas neste mês", afirmou um relatório. O Cepea informou que no mercado atacadista da Grande SãoPaulo o preço do traseiro bovino subiu 3 por cento no período,para 5,63 reais por quilo. Para o dianteiro bovino, houve uma valorização ainda maior,de 9,5 por cento, com o quilo passando para 3,70 reais. De acordo com o Cepea, as medidas dos principaisimportadores de carne bovina do Brasil, que poderiamindiretamente ampliar a oferta no mercado interno e pressionaros preços, foram ofuscadas pela "falta de animais para abate". Segundo o centro de estudos da Esalq/USP, a redução daoferta de animais, após um longo ciclo da pecuária marcado porintenso abate de matrizes, é "tal que o volume de carneofertado no atacado da Grande SP (relativamente pequeno)permitiu que a média de janeiro (4,46 reais por kg) fosse 0,5por cento superior à de dezembro, mês em que o consumo em geralse aquece com o recebimento do 13o salário". Essa alta nos preços ocorre ainda em um momento de "safra",quando as chuvas já se regularizaram e a oferta de "animais depasto" é, em tese, maior. "A sustentação das cotações internas --boi e carne--,portanto, continua vindo da baixa oferta de animais paraabate." O Cepea informou ainda que no início desta semanafrigoríficos de todas as regiões pesquisadas pelo Cepea pagarammais pelo boi que deve ser abatido nos próximos dias. Esse fator ligado à oferta de animais fez, segundo o Cepea,os preços se moverem na direção contrária à esperada por algunsespecialistas, que apostavam em queda das cotações "peloredirecionamento da carne que não seria mais enviada à UE". Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), em 2007 a União Européia respondeu por 31,18 por cento dareceita obtida pelos brasileiros com vendas de carne bovina. Emvolume, o bloco recebeu 15,18 por cento do total embarcado noano. Apesar de a União Européia representar, portanto, quase umterço da receita com exportação de carne bovina, foi a Rússia omaior cliente dos brasileiros em volumes, comprando 34,84 porcento do total vendido ao exterior, disse o Cepea. A Rússia embargou nesta semana a carne produzida com boisdo Mato Grosso, devido a um registro de estomatite vesicular.[ID:nN12223262]. Já a União Européia suspendeu as compras poravaliar que o sistema de rastreabilidade do Brasil tem falhas. (Por Roberto Samora)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.