Preço do gás terá que subir mesmo com descoberta da Petrobras

A descoberta do campo gigante degás de Tupi não vai resolver no curto prazo o problema daoferta no mercado brasileiro, segundo a diretora de Gás eEnergia da Petrobras, Graça Silva Foster, que anunciou anecessidade de reajustar o preço do combustível entre 15 e 25por cento nos próximos meses. "Toda cadeia está sob forte pressão de custos, o preço dogás esta descolado do preço do petróleo, entendemos que édevido um aumento real do gás", disse a jornalistas na sede daestatal. A Petrobras cortou parte do fornecimento de gás dasprincipais distribuidoras do Rio de Janeiro e São Paulo nasemana passada para atender o aumento da demanda das usinastérmicas. A medida deixou os usuários de gás natural veicular(GNV) apreensivos, e acendeu a luz amarela quanto ao risco dedesabastecimento no país. Esta semana, o presidente da Petrobras e representantes dogoverno federal estiveram na Bolívia para negociar a retomadade investimentos que estavam congelados desde a nacionalizaçãodas reservas bolivianas. "Estamos avaliando novas perspectivas e possibilidades.Nossas equipes técnicas estão trabalhando conjuntamente ehaverá novas reuniões no fim deste mês. Os volumes deinvestimentos não estão definidos", disse à Reuters, opresidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli. O executivo acrescentou que a descoberta de Tupi, na baciade Santos, não inviabiliza a realização de novos investimentosna Bolívia. A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmouque, na viagem à Bolívia, os negociadores brasileiros já sabiamda descoberta na bacia de Santos. "O impacto dessa descoberta na nossa relação com a Bolíviaé nenhum. Nossa relação é de integração energética regional",declarou. "Não significa que vamos romper com eles e deixar deinvestir na Bolívia. Nossa relação é importante", disse. Segundo cálculos da ministra, o Brasil produz 49 milhões demetros cúbicos de gás ao dia, sendo que 21 milhões sãocomercializados, e o restante é queimado, reinjetado nos camposou usado pelas plataformas produtoras. O país ainda tem umcontrato de importação de gás da Bolívia de 30 milhões demetros cúbicos ao dia.

RODRIGO VIGA GAIER, REUTERS

08 de novembro de 2007 | 20h04

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAPETROBRASGAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.