Preços do cobre devem subir com terremoto no Chile, dizem analistas

Analistas temem alta embora, até agora, os danos às operações das grandes mineradoras pareçam limitados

Regina Cardeal, da Agência Estado,

28 de fevereiro de 2010 | 15h37

Os preços do cobre devem subir quando os mercados globais de commodities reabrirem em reação ao forte terremoto que abalou o Chile, maior produtor de cobre do mundo. Analistas preveem altas em meio aos temores sobre o possível impacto do tremor sobre a oferta do metal, embora, até agora, os danos às operações das grandes mineradoras pareçam limitados.

 

"Eu espero uma abertura em alta", disse Bill O'Neill, da consultoria Logic Advisors. "Os problemas devem ser mais na área de energia e transportes, e não na estrutura das minas", comentou O'Neill. As avaliações dos danos a pontes, rodovias e portes estão sendo feitas. Se forem severos, poderão dificultar a entrega do metal ao mercado, mesmo que as minas continuem operando.

 

O Chile foi atingido por um terremoto de 8,8 graus no sábado e por diversos choques secundários posteriores.

 

A sessão de negócios de segunda-feira na Ásia começa quando ainda é noite de domingo em Nova York e as transações eletrônicas na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex) abrem às 20h (de Brasília) de domingo à quinta-feira.

 

Edward Meir, analista da corretora MF Global, disse que não se surpreenderá se os contratos para três meses na London Metal Exchange (LME) forem negociados com alta de US$ 300 a US$ 500 a tonelada quando os negócios foram abertos. Isso representaria um ganho de 13% a 23% por libra-peso do cobre da Comex. Na rodada livre de negócios (kerb) de sexta-feira na LME, o cobre em contrato para três meses subiu US$ 197,00 e fechou a US$ 7.195,00 a tonelada.

 

Com boa parte do mundo ainda em crescimento lento, os estoques dos armazéns e dos produtores relativamente elevados, os preços podem voltar a ceder quando os temores iniciais com o Chile forem superados, disse Meir. Até agora, algumas mineradoras disseram que não esperam problemas maiores, acrescentou Meir. Se tiverem, uma alternativa pode ser redirecionar o metal para portos diferentes dos usados normalmente. "Não acredito que (o terremoto) tirará cobre do mercado, mas vai desacelerar o fluxo de exportações", acrescentou.

 

A estatal chilena Corporação Nacional do Cobre (Codelco) fechou as minas El Teniente e Andina depois dos cortes de energia. Mas a companhia concluiu que o terremoto não causou danos maiores e estava trabalhando para reabrir as minas, possivelmente na noite deste domingo.

 

O terremoto atingiu mais a parte sul do Chile. Embora haja operações no sul, as mineradoras de cobre se concentram no norte, disse O'Neill. Isso inclui a mina Escondida, a maior do mundo, com produção de cerca de 1,2 milhão de toneladas por ano. A BHP Billiton disse que Escondida não foi significativamente afetada.

 

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
cobrecommodities

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.