Preços do leite ao produtor subiram 25% neste ano, segundo o Cepea

Belo Horizonte, 29 - Os preços médios do leite ao produtor já acumulam alta de 25% desde fevereiro - referente ao produto entregue em janeiro. Segundo dados divulgados hoje pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea/Esalq-USP), em fevereiro, o preço médio nacional bruto foi de R$ 0,5005/litro e atingiram em junho (referente à produção de maio), R$ 0,6244/litro.Entre os sete estados pesquisados pelo Cepea, a maior alta nos preços, de pouco mais de 12%, ocorreu em Santa Catarina, com o valor médio bruto pago aos produtores a R$ 0,5502/litro, em junho. Já o menor aumento, de 3,16%, foi verificado na Bahia, com o preço médio passando para R$ 0,4735/litro.Os maiores estados produtores, Minas Gerais e Goiás, também apresentaram novos aumentos nos valores pagos aos produtores, de 5,5% e 8,2%, respectivamente, em relação a maio. Com esse último reajuste, Goiás passa a ser o estado com o preço médio mais alto, de R$ 0,6550/litro. Já o preço médio praticado em São Paulo subiu 5,4% em relação a maio, para R$ 0,6507/litro.O levantamento do Cepea aponta que a oferta de leite mantém a tendência de queda. Conforme o Índice de Captação de Leite (ICAP-L), do centro, a redução foi de 15,8%, se for considerado o volume captado em maio com o total coletado em janeiro deste ano. Em contrapartida, na comparação entre o acumulado de janeiro a maio deste ano, com o mesmo período de 2006, foi registrado um aumento de 3%.A balança comercial de lácteos já apresenta saldo positivo de US$ 7 milhões, no acumulado do ano, segundo dados da Secex. O produto mais exportado é o leite em pó, representando mais de 54% da receita com as exportações do setor. De janeiro a maio deste ano, o leite em pó já faturou pouco mais de US$ 37 milhões, 40% a mais que no mesmo período do ano passado. A alta pode ser atribuída à valorização do produto, já que a quantidade exportada recuou 1%, totalizando 13,8 mil toneladas, segundo dados da Secex.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.