Prejuízo da British Airways sobe 11% no 1º tri fiscal

Custo do impacto de distúrbios, incluindo nuvens de cinzas vulcânicas e greves, totalizou 250 milhões de libras

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

30 de julho de 2010 | 11h09

A companhia aérea British Airways (BA) afirmou que seu prejuízo antes de impostos aumentou 11% no primeiro trimestre fiscal de 2010, acrescentando que o custo do impacto de distúrbios, incluindo nuvens de cinzas vulcânicas e greves, totalizou 250 milhões de libras. Às 10h55 (de Brasília), ações da companhia subiam 0,05% na Bolsa de Londres.

A empresa disse que o prejuízo antes de impostos aumentou para 164 milhões de libras (US$ 255,5 milhões) no primeiro trimestre fiscal, encerrado em 30 de junho, de um prejuízo de 148 milhões no mesmo período de 2009.

Em bases operacionais, o prejuízo da companhia diminuiu para 72 milhões de libras, de 94 milhões de libras, como resultado do aumento das taxas de rendimento e da queda de custos.

Após uma das piores crises econômicas das últimas décadas, juntamente com uma série de desafios, incluindo greves de tripulantes de cabine e interrupção dos serviços causada por nuvens de cinzas vulcânicas na maior parte da Europa, a receita da BA caiu para 1,94 bilhão de libras no primeiro trimestre fiscal, de 1,98 bilhão de libras no mesmo período do ano passado.

No entanto, a receita média por passageiro por lugares preenchidos para cada quilômetro voado, ou do rendimento, subiu 13,5%, para 6,88 pence, de 6,06 pence um ano atrás. Em bases cambiais constantes, o rendimento cresceu 12,7%. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.