Nilton Fukuda|Estadão
Nilton Fukuda|Estadão

Prejuízo da Claro cresce 114,5% no 4º trimestre

Braço da América Móvil, empresa reúne Claro, Embratel e Net no Brasil

Fátima Laranjeira, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2017 | 22h54

A Claro Telecom Participações, braço da mexicana América Móvil que reúne Claro, Embratel e Net no Brasil, registrou um prejuízo líquido de R$ 714,3 milhões no quarto trimestre de 2016, valor 114,5% maior do que as perdas de R$ 333,0 milhões anotadas em igual intervalo do ano anterior.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) da Claro atingiu R$ 2,291 bilhões, uma retração de 4,1% na comparação anual. A margem Ebitda encerrou o trimestre em 28,6%, elevação de 0,6 ponto porcentual sobre os mesmo meses de 2015.

A empresa divulgou ainda Ebitda e receita normalizados, refletindo os serviços de valor adicionado que passaram a ser prestados por outra empresa do grupo, cujos resultados não são consolidados, como consequência da reestruturação societária. De forma normalizada, o Ebitda da companhia somou R$ 2,500 bilhões, alta de 4,7%, enquanto a margem expandiu-se 2,2 pontos porcentuais, para 30,2%.

A receita líquida somou R$ 8,023 bilhões, queda de 5,9%. Já a receita normalizada caiu 2,8%, para R$ 8,294 bilhões. A empresa informa que a receita foi afetada negativamente pela redução das tarifas de interconexão, conforme plano e cronograma estabelecidos pela Anatel, além de "toda conjuntura adversa verificada no país no ano de 2016, que sabidamente tem afetado a capacidade de consumo das pessoas e das empresas de uma forma geral".

Tudo o que sabemos sobre:
ClaroEmbratelNetBrasilAnatel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.