Divulgação
Divulgação

Prejuízo de empresas aéreas soma R$ 5,9 bi em 2015, o maior da história do setor

Trata-se do quinto ano consecutivo de perdas na indústria, que acumula prejuízo de R$ 15,4 bilhões desde 2011

MARINA GAZZONI, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2016 | 08h12

SÃO PAULO - As companhias aéreas brasileiras registraram juntas um prejuízo líquido de R$ 5,9 bilhões em 2015, o maior da história do setor. As informações são de levantamento do Estado com base nos demonstrativos financeiros das companhias aéreas, divulgados ontem pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Trata-se do quinto ano consecutivo de perdas na indústria, que acumula prejuízo de R$ 15,4 bilhões desde 2011.

“É a crônica de uma crise anunciada. Estamos em um ambiente recessivo e os entraves regulatórios do Brasil, que tornam a nossa aviação mais cara do que os padrões internacionais, persistem”, afirmou o presidente da Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear), Eduardo Sanovicz. 

O maior prejuízo do setor foi registrado pela Gol, que somou perdas de R$ 3,5 bilhões em 2015. A TAM perdeu R$ 1,57 bilhão, e a Azul R$ 753 milhões. Apesar de também ter ficado no vermelho, a Avianca foi a única entre as grandes empresas que conseguiu minimizar as perdas, para R$ 12 milhões.

O ano de 2016 continua desafiador para as empresas. Ontem, a Abear divulgou o décimo mês consecutivo de queda na demanda mensal por passagens aéreas em voos nacionais. Em maio, a retração no setor somou 7,7%, na comparação com o mesmo mês de 2015.

As empresas aéreas estão cortando voos justamente para tentar estancar os prejuízos financeiros, explicou Sanovicz. “A malha é reduzida pela insustentabilidade em manter voos deficitários”, afirmou. Ele estima que o corte de assentos disponíveis para voos domésticos deverá superar 10% neste ano. 

Mais conteúdo sobre:
AnacBrasilTAMAviancaAviação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.