Premiê diz que Japão vai contribuir para resgate da zona do euro, diz ‘FT’

Em entrevista à publicação, Yoshihiko Noda teria cobrado maiores esforços da Europa para aliviar receios com crise

Álvaro Campos, da Agência Estado,

28 de outubro de 2011 | 14h40

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihiko Noda, disse nesta sexta-feira, 28, que o país vai contribuir com a Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês) "de maneira conveniente", e pressionou os líderes da União Europeia a fazerem "esforços ainda maiores" para conter a crise da dívida na região.

"Agora nós gostaríamos de ver esforços ainda maiores da UE e zona do euro para aliviar os receios com a crise, ao criar um plano mais forte e detalhado", comentou Noda em uma entrevista para o Financial Times. "Esse incêndio não está do outro lado do rio. Atualmente, a coisa mais importante é garantir que a crise não se espalhe para a Ásia ou a economia global".

O Japão detém pouco mais de 20% dos 10 bilhões de euros em bônus emitidos pela EFSF, o que, segundo Noda, é um esforço para "contribuir para a estabilidade econômica e fiscal". "É evidente que nós vamos querer continuar a contribuir de uma maneira conveniente".

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.