Premiê grego promete à Alemanha pagar todo dinheiro recebido, diz jornal

Antonis Samaras quer mais dois anos para que a Grécia cumpra suas metas de déficit, até 2016

Clarissa Mangueira, da Agência Estado ,

22 de agosto de 2012 | 14h32

LONDRES - O primeiro-ministro da Grécia, Antonis Samaras, prometeu à Alemanha que pagará todo dinheiro que recebeu de volta e quer mais dois anos para que o país cumpra as metas de déficit, de acordo com uma entrevista ao jornal alemão Sueddeutsche Zeitung divulgada antes da publicação da edição de quinta-feira.

O jornal afirmou que Samaras espera que seus parceiros europeus permitirão que a Grécia alcance a meta de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, e não em 2014, como exige a troica, que reúne representantes do Banco Central Europeu (BCE), Comissão Europeia e Fundo Monetário Internacional (FMI).

Na entrevista, o primeiro-ministro grego deixou a porta aberta sobre se perguntará à chanceler da Alemanha, Angela Merkel, sobre o assunto quando se reunirem na sexta-feira, em Berlim.

Samaras quer uma extensão do prazo devido à profunda recessão enfrentada pela Grécia, afirmou o jornal. "Nossa economia recuou 27%, a Grécia está sangrando, está realmente sangrando, disse Samaras, segundo a publicação.

Antes da reunião com Merkel, o primeiro-ministro grego afirmou ao jornal que está buscando novas reformas, como condições melhores de investimentos e privatizações de empresas estatais na Grécia, a fim de reconquistar a confiança dos investidores. A venda de propriedade estatal deverá resultar em pelo menos 30 bilhões de euros até 2016, afirmou Samaras na entrevista.

Se a Grécia deixar a zona do euro, "será catastrófico para nós, mas também será ruim para a Europa", ressaltou o primeiro-ministro. Na entrevista, Samaras prometeu promover uma economia para orçamento da Grécia de 11,5 bilhões de euros, uma precondição para que o país recebe a próxima parcela da ajuda financeira de 31 bilhões de euros. Ele também disse que se o dinheiro não chegar, a "Grécia estará quebrada". As informações são da Dow Jones.  

Tudo o que sabemos sobre:
gréciacrisetroica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.