Presidente da Arezzo não vê China como ameaça

O presidente da Arezzo, Alexandre Birman, avaliou que a competição no mercado brasileiro com calçados fabricados na China não é uma ameaça para a companhia. O executivo ponderou que hoje o setor calçadista brasileiro é protegido da competição externa, mas avaliou que isso desestimula a inovação por parte de alguns fabricantes e prejudica a competitividade. Birman participou do Fórum Estadão Investimento em Inovação para a Competitividade, em São Paulo.

DAYANNE SOUSA, Agencia Estado

04 de junho de 2013 | 13h49

"Nosso setor tem uma proteção bastante alta contra produtos vindos da China e isso é um fator da diminuição da competitividade", ponderou. Ainda assim, ele avaliou que a Arezzo decidiu investir em sua marca e hoje a competição com produtos chineses afeta fabricantes que não têm esse diferencial. Para ele, as marcas de moda não sofrem tanta pressão, uma vez que há um prazo longo entre o desenho dos artigos na China e a chegada deles às lojas no Brasil.

O executivo afirmou ainda que a Arezzo trabalha para reduzir o espaço de tempo entre a criação de seus calçados no Brasil e a chegada às lojas, que é de aproximadamente 35 dias.

Tudo o que sabemos sobre:
fórumArezzoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.