Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Presidente da Cielo deixa cargo após 18 meses

Eduardo Gouveia vai deixar comando da empresa em agosto; novo executivo será anunciado em até 60 dias

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

13 Julho 2018 | 12h55

Depois de anunciar nesta sexta-feira pela manhã a saída do presidente Eduardo Gouveia, a empresa de meios de pagamento Cielo já começou a buscar um novo candidato para o cargo, tendo contratado uma empresa de headhunting para a tarefa, informaram fontes ao Estadão/Broadcast.

+ Brasil perde espaço entre ‘desafiantes’ globais

Gouveia renunciou ao cargo depois de apenas um ano e meio à frente da companhia, em um movimento que pegou o mercado de surpresa. As ações da empresa chegaram a cair 8% na manhã desta sexta-feira, depois da divulgação da notícia, mas acabaram fechando o dia em alta de mais de 3%, após a companhia explicar o contexto da questão.

+ Bradesco e Cielo são questionados sobre estratégia em maquininhas

A decisão de Gouveia, que está há um ano e meio no cargo, tem estritamente pessoais, segundo fontes de mercado. O executivo, que ficará na companhia até agosto, quer se dedicar mais à sua família e também ao cuidado de sua saúde. "Não representa uma disrupção ou interrupção na estratégia nem nos planos da Cielo", afirmou ele, que teceu elogios à Gouveia e agradeceu seu trabalho à frente da companhia durante um ano e meio de sua gestão.

Gouveia teria comunicado sua decisão há cerca de um mês. Os acionistas da companhia, Bradesco e Banco do Brasil, teriam pedido para que o executivo permanecesse no comando da Cielo – mas como sua decisão foi pessoal, não conseguiram reter o executivo.

Disputa. Dentre os citados no mercado para alçar o posto máximo da Cielo, conforme fontes, estão o presidente da bandeira Elo, Eduardo Chedid; o presidente da Alelo, Raul Moreira; e ainda do presidente da Livelo, programa de fidelidade de Bradesco e BB, Alexandre Rappaport.

Na gestão de Rômulo de Mello Dias, que atualmente comanda o Uol, controlador da concorrente PagSeguro, Chedid, atualmente na Elo, era tido como o “segundo homem” da companhia e na primeiro na linha de sucessão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.