REUTERS/Michelle McLoughlin/
REUTERS/Michelle McLoughlin/

Presidente da ESPN internacional renuncia ao cargo para lidar com vício

A saída de John Skipper da emissora ocorre apenas alguns dias depois de a Disney, grupo ao qual pertence a ESPN, acertar a compra de negócios de filmes e televisão da Fox por US$ 52,4 bilhões

Reuters

18 Dezembro 2017 | 19h48

O presidente da ESPN, John Skipper, renunciou ao cargo nesta segunda-feira, 18, devido a um problema com vício "em substância" – não se revelou qual. A ESPN é a emissora mais importante da Walt Disney & Co.

"Durante muitos anos, sofri com o vício em uma substância", afirma Skipper em um comunicado oficial. Ele também era copresidente do conselho de administração da Disney Media Networks. "Decidi que a coisa mais importante que posso fazer neste momento é cuidar do meu problema."

++Disney compra Fox para brigar com Netflix e Amazon

Em nota, a ESPN anunciou que George Bodenheimer será o presidente em exercício da emissora esportiva pelos próximos 90 dias. Ele já havia sido presidente da ESPN de 1998 a 2011 e presidente do conselho de administração até maio de 2014.

A porta-voz da ESPN optou por não comentar sobre possíveis nomes para a sucessão de Skipper.

++'X-Men', 'Deadpool' e 'Quarteto Fantástico' voltam para a Marvel

A saída de Skipper da presidência da emissora ocorre apenas alguns dias depois de a Disney acertar a compra por US$ 52,4 bilhões de negócios de filmes e televisão da 21st Century Fox, conglomerado controlado por Rupert Murdoch.

Skipper, que se tornou presidente da ESPN em 2012, conduziu a emissora a uma série de acordos de distribuição de longo prazo com detentores de direitos de transmissão de grande porte, como a ligas americanas de basquete, NBA e de beisebol, MLB.

++EUA exigem venda da CNN para aprovar acordo entre a AT&T e a Time Warner

No entanto, a ESPN também tem sofrido com a perda de assinantes e quedas de audiência. Em novembro, a emissora anunciou a demissão de 150 funcionários.

O CEO da Disney, Bob Iger, que estendeu sua permanência na companhia até 2021 para supervisionar a integração dos negócios da Fox, elogiou a transparência de Skipper e apoiou sua decisão.

Por volta de 17h30 desta segunda-feira, as ações da Disney registravam queda de 0,2%, a US$ 111,09.

VEJA TAMBÉM Em 1998, 'Simpsons' previram compra da Fox pela Disney

Mais conteúdo sobre:
Disney FOX [canal de televisão]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.