Presidente da Viavarejo pede demissão

Os desentendimentos entre sócios não seriam exclusividade da holding Pão de Açúcar. Elas afetariam também uma de suas principais controladas, a Viavarejo. Nesta quinta-feira, Antonio Ramatis, diretor-presidente da empresa que reúne as varejistas Casas Bahia e Ponto Frio, pediu demissão durante reunião do conselho de administração citando ?interferências? em sua administração. O executivo Victor Fagá de Almeida foi recrutado interinamente para a função.

FERNANDO SCHELLER E NAIANA OSCAR, Agencia Estado

24 de maio de 2013 | 10h25

O problema principal que teria levado ao desligamento seria a dificuldade em equalizar as diferenças entre os três principais sócios da Viavarejo (o francês Casino, Abilio Diniz e a família Klein). A dificuldade de entendimento - que levaria a mudanças repentinas nos critérios para aprovação de investimentos - teria se intensificado na semana passada, levando à decisão, segundo apurou a reportagem.

A saída do executivo coincide com a divulgação de uma auditoria da KPMG que apontou processos informais da Viavarejo e que recomendaria novos aportes de alguns dos sócios, com obrigações pesadas aos Klein. Ramatis ficou menos de seis meses no cargo. Ele entrou em caráter temporário, para substituir Raphael Klein por dois anos. Pelos resultados obtidos - no primeiro trimestre, o lucro da Viavarejo foi multiplicado por seis, em relação a 2012 - , o Grupo Pão de Açúcar estava montando um plano de retenção para o executivo, que ele não chegou a assinar.

No curto período em que ficou à frente da companhia, Ramatis se debruçou sobre as ineficiências da Viavarejo. Além de ter demitido executivos e mudado vários outros de função - afetando as áreas de logística, TI, relações com investidores e operações -, também combateu processos ainda não formais na companhia, como mercadorias vendidas sem o devido recolhimento de impostos.

Segundo a reportagem apurou, a saída de Ramatis foi uma surpresa. ?Não tenho conhecimento de que alguma interferência grave tenha ocorrido?, afirmou um executivo. Uma fonte ligada ao Pão de Açúcar diz que a relação entre Ramatis e Enéas Pestana, presidente do grupo, tinha se desgastado. Porém, foi Pestana quem escolheu o executivo para substituir Raphael Klein. Antonio Ramatis estava no grupo desde 2006.

O diretor-presidente da Viavarejo também citou, na carta de demissão, o não pagamento de um bônus em forma de ações como um dos motivos de sua saída. O Pão de Açúcar, no entanto, entende a questão de forma diferente: ao sair, ele perderia direito ao benefício, que justamente visa o compromisso de longo prazo com a companhia.

BRF

Ramatis foi questionado, durante a reunião do conselho, se pretendia se transferir para a BRF, já que Abilio Diniz acumula desde abril a presidência dos conselhos do Grupo Pão de Açúcar e da dona da Sadia. Tanto Ramatis quanto Abilio negaram que esse seria o caso. O executivo também afirmou aos conselheiros que não recebeu nenhuma proposta de um concorrente direto da Viavarejo.

Tudo o que sabemos sobre:
ViavarejodemissãoAntonio Ramatis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.