Prévia da inflação fica em 0,48% em setembro, segundo IBGE

IPCA-15 acumula altas de 3,81% no ano e de 5,31% em 12 meses

Daniela Amorim e Vinicius Neder, da Agência Estado,

20 de setembro de 2012 | 09h17

RIO - A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15), prévia da inflação oficial, ficou em 0,48% em setembro, após registrar 0,39% em agosto. O resultado, divulgado nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ficou dentro do intervalo das estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo AE Projeções, que esperavam inflação entre 0,40% e 0,51%, e levemente acima da mediana, de 0,46%.

Até setembro, o IPCA-15 acumula altas de 3,81% no ano e de 5,31% em 12 meses.

Alimentos

Os alimentos voltaram a registrar aumento de preços em setembro e puxaram a alta do IPCA-15. A alta no grupo Alimentação e Bebidas foi de 1,08% em setembro, o que resultou em mais da metade do IPCA-15 do mês. A contribuição dos alimentos para a inflação de 0,48% foi de 0,25 ponto porcentual.

Vários itens ficaram mais caros, com destaque para as carnes, que subiram 1,79% em setembro contra uma queda de 0,76% em agosto. Outros itens que pesaram mais no bolso do consumidor foram batata-inglesa(15,62%), cebola (9,00%), alho (6,08%), ovos (5,09%), tomate (4,52%), arroz (3,97%), e frango (3,46%) e pão francês(2,30%).

Habitação

O aumento nas despesas com habitação na passagem de agosto para setembro também contribuiu para a aceleração da inflação medida pelo IPCA-15. O grupo Habitação saiu de uma taxa de 0,28% para 0,43% de agosto para setembro.

O movimento é explicado por uma queda menos acentuada na tarifa de energia elétrica (de -0,46% em agosto para -0,05% em setembro), assim como pela aceleração no ritmo de aumento de preços de itens como aluguel residencial (de 0,43% para 0,61%), condomínio (1,06% para 1,19%), taxa de água e esgoto (de 0,65% para 0,78%) e gás de botijão (de -0,15% para 0,30%).

Aceleração

Cinco entre as nove classes de despesas que compõem IPCA-15 apresentaram aceleração no ritmo de aumento de preços na passagem de agosto para setembro.

Além de alimentação e bebidas (de 0,76% em agosto para 1,08% em setembro) e habitação (de 0,28% para 0,43%), também verificaram aumento na taxa de variação de preços os grupos vestuário (de 0,18% para 0,47%), transportes (0,00% para 0,09%) e comunicação (de -0,03% para 0,01%). Na direção oposta, quatro grupos tiveram variações menos acentuadas em setembro.

O destaque ficou com Despesas Pessoais, que passou de +0,68% em agosto para +0,57% em setembro, influenciado pela desaceleração da alta no item recreação (de 0,48% para 0,07%). Ainda nesse grupo, o custo com empregado doméstico continuou subindo (de 1,11% para 1,24%), ficando na liderança dos impactos individuais deste mês, com 0,05 ponto porcentual de contribuição no IPCA-15.

Entre os outros grupos que registraram desaceleração da alta de preços, estão saúde e cuidados pessoais (de 0,52% para 0,37%), com ritmo suavizado pelos remédios (de 0,52% para 0,31%) e higiene pessoal (de 0,55% para 0,07%); artigos de residência (de 0,23% para 0,19%) e educação (de 0,54% para 0,11%).

Tudo o que sabemos sobre:
inflaçãoIPCA-15IBGE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.