Prévia da inflação oficial sobe 0,69% em dezembro

Alta é menor do que a vista em novembro, de 0,54%; IPCA-15 acumulado fechou 2012 com alta de 5,78%

Daniela Amorim, da Agência Estado,

19 de dezembro de 2012 | 09h10

RIO - A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - 15 (IPCA-15) ficou em 0,69% em dezembro, após taxa de 0,54% em novembro, divulgou há pouco o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou dentro do intervalo de estimativas dos analistas do mercado financeiro consultados pelo AE Projeções, que esperavam inflação entre 0,59% e 0,73%, e acima da mediana, de 0,65%.

Com o resultado anunciado hoje, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA-E), que representa o IPCA-15 acumulado, fechou 2012 com alta de 5,78%.

Despesas pessoais

Os preços do grupo Despesas pessoais aceleraram de 0,30% em novembro para 1,10% em dezembro, dentro do IPCA-15. O grupo apresentou o maior resultado no mês, puxado pela alta nos salários dos empregados domésticos, que passaram de 0,66% em novembro para 0,82% em dezembro.

O aumento de 12,75% nos salários dos empregados domésticos em 2012 foi destaque na lista dos principais impactos no IPCA-15 do ano.

Em dezembro, tiveram grande influência ainda sobre as Despesas Pessoais os itens excursão (de 0,40% em novembro para 12,15% em dezembro) e cigarro (de 0% para 2,66%).

No ano, o grupo despesas pessoais registrou alta de 9,40%, a segunda maior variação registrada no IPCA-15 no período, ficando atrás somente do grupo Alimentação e bebidas, que teve alta de 9,84%.

Os preços do grupo alimentação e bebidas aumentaram mais em dezembro. A alta passou de 0,83% em novembro para 0,97% em dezembro. O aumento foi puxado pelo encarecimento de produtos como o frango (de 1,43% em novembro para 4,16% em dezembro), leite (1,39% para 2,03%) e frutas (de 0,43% para 1,27%).

No ano, os alimentos tiveram um avanço de 9,84%. Entre as maiores pressões sobre o IPCA-15 do período estão a farinha de mandioca (84,90%), arroz (37,00%) e feijão carioca (37,74%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.