Prévia do PIB sobe 0,75% em junho ante maio, diz Banco Central

É a maior alta do IBC-Br - Índice de Atividade Econômica do Banco Central - em relação ao mês anterior em 15 meses , indicando o início de retomada da economia

Eduardo Cucolo, da Agência Estado,

17 de agosto de 2012 | 08h55

BRASÍLIA - O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), mostra recuperação da economia em junho, depois dos baixos resultados do mês anterior. O IBC-Br fechou o mês passado com alta de 0,75% na comparação com maio, na série com ajuste sazonal. É a maior alta em relação ao mês anterior em 15 meses. Em março do ano passado, havia subido 1,47% na comparação com fevereiro de 2011.De acordo com dados divulgados nesta sexta-feira pelo BC, o número passou de 140,74 pontos em maio para 141,79 pontos em junho na série dessazonalizada. Os números confirmam os sinais de recuperação da economia a partir de junho, conforme apontavam os dados divulgados ontem sobre o comércio varejista e o emprego com carteira assinada.

Na comparação entre os meses de junho de 2012 e 2011, houve expansão de 0,99% na série sem ajustes sazonais. Na série observada, junho terminou com IBC-Br em 140,80 pontos. Nos últimos 12 meses, o indicador registrou alta de 1,20% na comparação com os 12 meses anteriores, no dado sem ajuste. No ano, o crescimento acumulado é de 0,87%, sem ajuste.

Segundo trimestre

O IBC-Br registrou expansão de 0,38% no acumulado dos três meses entre abril e junho de 2012, na comparação com o primeiro trimestre de 2012, na série com ajuste sazonal. Na comparação entre o segundo trimestre de 2012 e 2011, o dado sem ajuste mostra expansão de 0,68%.

Considerado pelos economistas uma prévia mensal do Produto Interno Bruto (PIB), o IBC-Br serve como parâmetro para avaliar o ritmo da economia brasileira ao longo dos meses.

Revisão

O BC revisou os últimos dados sobre o desempenho do IBC-BR. De acordo com os números atualizados hoje, o indicador foi revisado de -0,02% para -0,01% na comparação entre maio e abril na série com ajuste sazonal. Em abril, na comparação com março, o dado com ajuste foi revisto de +0,10% para +0,12%.

Para março de 2012, a revisão trouxe um dado pior que o anterior. Na comparação com fevereiro, o IBC-Br revisado teve contração de 0,22%, maior que a queda de 0,17% original. Para fevereiro, a revisão elevou o crescimento ante janeiro para 0,49%, de uma expansão da atividade econômica de 0,39%. O crescimento acumulado no primeiro trimestre de 2012 em relação ao último de 2011, após as revisões feitas nos últimos meses, ficou em 0,63% com ajuste.

Tudo o que sabemos sobre:
ibc-brpréviapibbanco central

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.