Primeiro-ministro da Grécia descarta eleições antecipadas

George Papandreou defendeu que governo possui maioria no Parlamento, o que pode ajudar a aprovar reformas necessárias para que o país receba novo pacote de ajuda

Álvaro Campos, da Agência Estado,

23 de setembro de 2011 | 16h10

O primeiro-ministro da Grécia, George Papandreou, descartou nesta sexta-feira, 23, a realização de eleições antecipadas, afirmando que sua coalização tem uma ampla no Parlamento, o que pode ajudar o governo a aprovar as reformas que precisa fazer para receber um novo pacote de resgate internacional.

"O governo é baseado em uma forte maioria no Parlamento, ainda maior do que aquela em outros países que estão nos ajudando e estão sendo cobrados a aprovar essas decisões nos seus Parlamentos", disse Papandreou em um comunicado.

Mais cedo nesta semana surgiram rumores de que o governo grego poderia convocar eleições antecipadas, devido a forte oposição da opinião pública às propostas de aumentos de impostos e cortes de gastos anunciadas recentemente. Elas são necessárias para que o país atinja as metas fiscais para 2011 e 2012 e possa receber a ajuda internacional.

O primeiro-ministro também cobrou cautela das autoridades nos comentários feitos sobre cenários de default, acrescentando que "todos os nossos esforços no momento são para finalizar o acordo de 21 de julho". Foi nessa data que a cúpula da zona do euro aprovou um segundo pacote de resgate para a Grécia, de 109 bilhões de euros, mas o projeto ainda precisa da anuência dos Parlamentos de todos os membros do bloco. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.