Prioridade é crescer no mercado internacional

Venda de fábrica da Sadia na Rússia deve ser suspensa e o projeto de construção de nova unidade nos Emirados Árabes pode ser retomado

Marianna Aragão,

17 de maio de 2009 | 22h34

Com um mercado consolidado no Brasil, onde desfruta de posição confortável em quase todos os segmentos em que atua, a nova Brasil Foods deve concentrar suas forças no exterior a partir de agora. Após a fusão, ela assume posição de peso entre as maiores empresas de alimentos do mundo e começa a brigar de igual para igual por esse mercado bilionário. O primeiro passo nesse sentido é a suspensão dos planos de vender a fábrica da Sadia em Kaliningrado, na Rússia - decidida por causa do agravamento da crise provocada por operação com derivativos -, e a retomada do projeto de construção de uma nova unidade nos Emirados Árabes.

 

linkVeja o especial sobre a fusão entre Perdigão e Sadia

Hoje, as vendas para o exterior respondem por 46% do faturamento da Sadia. Na Perdigão, correspondem a 39% do total. A estimativa de analistas é que essa participação aumente. "Juntas, as duas vão ter mais forças para atingir novos países e crescer mais rápido no mercado mundial", afirma um analista que acompanha as duas empresas. Segundo ele, a nova escala somente acelera esse movimento, uma vez que as companhias já se beneficiam de vantagens competitivas do País. "O custo de produção da carne brasileira já é mais baixo, e ainda virão os ganhos das sinergias."

O mercado de aves terá destaque ainda maior nesse novo cenário. O Brasil, que lidera o ranking dos maiores países exportadores de frango, vem aumentando o volume vendido a cada ano. Em 2008, o crescimento, em dólares, foi de 40%, segundo dados da Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frangos (Abef). "Com a crise, o frango deve ser a carne menos afetada no mercado, por ter o melhor custo-benefício", diz o analista da SLW, Cauê Pinheiro. Segundo ele, as vendas de suínos devem sofrer algum impacto por causa dos casos do vírus H1N1 surgidos recentemente. A carne bovina, por sua vez, tem custos de produção mais altos.

Para o diretor técnico da consultoria Agra FNP, José Vicente Ferraz, a perspectiva traçada há alguns anos para o setor de alimentos, em que a demanda cresceria enquanto as áreas de produção ficariam cada vez mais escassas, permanece mesmo com a crise. E beneficia a nova multinacional brasileira de alimentos. "A tendência de urbanização e de ganho de renda em países como China e Índia é irreversível. As carnes são produtos que devem ser beneficiados muito fortemente por essa demanda extra", acredita Ferraz.

Na briga por esses novos consumidores, Sadia e Perdigão, agora unidas, vão competir com outras gigantes, como as norte-americanas Tyson, Kraft e General Mills. "Os Estados Unidos são de longe o maior concorrente no mercado mundial", diz o diretor da Agra FNP. Segundo ele, os americanos também têm armas poderosas nesse mercado. "Eles têm muita produtividade por causa do milho e um grande mercado consumidor. Além disso, compensam a mão de obra cara com seu peso no mercado mundial, que garante acesso privilegiado a outros países e poder de barganha", explica.

Outro desafio será transpor as barreiras do comércio internacional, principalmente em carnes. "Há um protecionismo muito forte nessa área e será preciso habilidade política para enfrentá-lo em mercados importantes, como o europeu", diz Ferraz.

Presentes em mais de cem países, Sadia e Perdigão terão de decidir agora qual das duas marcas será mais eficaz na estratégia de expansão internacional. Segundo especialistas, apesar de pouco provável que uma delas seja abandonada, a Sadia tem a marca mais forte no exterior. "A Sadia exporta com marca, ao contrário da Perdigão", diz um analista de mercado, que pediu para não ser identificado.

Tudo o que sabemos sobre:
SadiaPerdigãoBrasil Foods

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.