Processamento de gás acompanhará demanda com folga, diz Petrobrás

Segundo diretor, processamento de gás será suficiente para novos empreendimentos; mas oferta foi revisada para baixo, seguindo a revisão da produção de petróleo

Sabrina Valle e Sergio Torres, da Agência Estado,

22 de agosto de 2012 | 15h21

RIO - O diretor de Gás e Energia da Petrobrás, José Alcides Santoro, disse nesta quarta-feira que a previsão de crescimento no processamento de gás acompanhará a demanda com folga suficiente para novos empreendimentos. A previsão é de que, em 2016, haja oferta de 139 milhões de metros cúbicos por dia, para uma demanda de 124 milhões de metros cúbicos por dia. Em 2020, a oferta passaria a 168 milhões de metros cúbicos por dia, para demanda de 155 milhões de metros cúbicos por dia. "Teremos volume disponível para novos empreendimentos", disse.

A oferta, no entanto, foi revisada para baixo neste plano de negócios, já que o gás produzido é associado ao petróleo e houve redução na previsão de produção até 2020. O número previsto anteriormente não é público.

Santoro diz que no próximo leilão a Petrobrás não ofertará gás, por falta de capacidade para demonstrar lastro, depois de uma mudança de regras no ano passado. A Petrobrás está discutindo possibilidades para rever a questão junto com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Santoro diz que uma das saídas em discussão é que a Petrobrás possa ofertar até o limite de sua capacidade. "Para este ano não vai dar tempo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.