Produção da Petrobras decepciona e meta para 2014 é desafiadora, dizem analistas

Resultado da produção em junho alimenta preocupações sobre o cumprimento da meta da estatal para o ano

REUTERS

21 de julho de 2014 | 12h24

O crescimento da produção de petróleo da Petrobras no Brasil em junho decepcionou, alimentando preocupações sobre o cumprimento da meta da estatal para o ano, disseram analistas de duas instituições em relatórios nesta segunda-feira.

A Petrobras produziu média de 2,008 milhões de barris de petróleo por dia (bpd) no Brasil em junho, alta de 1,5 por cento em relação ao mesmo mês do ano passado e de 1,7 por cento ante maio, informou a estatal na noite de sexta-feira.

A empresa não registrava média de produção mensal no país acima de 2 milhões de bpd desde dezembro de 2012, mas ainda assim analistas viram o crescimento como aquém das expectativas.

"Embora em condições normais esse crescimento decepcionante juntamente com a deterioração contínua do seu balanço devam pressionar as ações, nós acreditamos que tais pontos de pressão fundamental devem continuar sendo compensados por notícias relacionadas à eleição --mais especificamente, os resultados das pesquisas eleitorais em curso", disse o Santander em relatório assinado por Christian Audi e Gustavo Allevato.

Uma vez que o mercado considera excessiva a intervenção da presidente Dilma Rousseff nas estatais, pesquisas de intenção de voto apontando piora no desempenho da governante, que tenta a reeleição, têm impulsionado as ações de empresas como a Petrobras.

As ações preferenciais da Petrobras operavam praticamente estáveis nesta segunda-feira. Por volta das 12h15, caíam 0,19 por cento, enquanto o Ibovespa subia 0,04 por cento.

No primeiro semestre, a produção de petróleo da Petrobras no país cresceu 1,4 por cento ante o mesmo período do ano passado, para 1,947 milhão de bpd, levantando dúvidas sobre o cumprimento da meta.

"Mesmo assim, ainda consideramos muito desafiante a meta de produção da empresa em 2014, que não as cumpre há dez anos", disse a Planner Corretora em boletim diário, fazendo referência às unidades que entrarão em operação no segundo semestre, e que poderiam ajudar a Petrobras a atingir seus objetivos.

Procurada, a Petrobras não se manifestou imediatamente sobre o assunto.

Anteriormente, a Petrobras informou que seu Plano de Negócios 2014/2018 "prevê no fim de 2014 um aumento na média de produção de 7,5 por cento, com margem de tolerância de 1 ponto percentual para mais ou menos, sobre a média de 2013, que foi de 1,931 milhão de barris por dia (bpd), somente no Brasil".

Apesar do aumento recente da produção do pré-sal, campos maduros da estatal declinaram. O Santander prevê que o pré-sal permanecerá em crescimento neste ano e deve representar 25 por cento da produção nacional da Petrobras até o final de 2014. (Por Marta Nogueira)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAPETRLEOPETROBRAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.