Produção de alumínio da Rusal pode cair em 500 mil toneladas

A Rusal, maior produtora de alumínio do mundo, afirmou que pode perder produção de pelo menos 500 mil toneladas do metal como resultado de um acidente em uma grande usina hidrelétrica siberiana, informou um diretor da companhia nesta terça-feira.

REUTERS

18 de agosto de 2009 | 12h20

A Rusal informou qeu manteve discussões com autoridades sobre a possibilidade de reduzir a produção depois do acidente na usina de Sayano-shushenskaya. Nenhuma decisão, porém, foi tomada.

"Estamo atualmente confiando nas capacidades reserva de energia, apesar de isso ser somente uma solução temporária para o problema", disse Artyom Volynets, diretor de estratégia e desenvolvimento corporativo da UC Rusal.

"Consideramos que não menos que 500 mil toneladas de produção de alumínio, ou talvez mais, podem estar em risco", disse Volynets.

Doze pessoas morreram e 64 estão desaparecidas, talvez mortas, depois que uma sala de turbina foi inundada na segunda-feira na represa de Sayano-shushenskaya, a maior usina hidrelétrica da Rússia.

A produção da UC Rusal está atualmente em nível normal já que as duas fábricas da companhia conseguiram assegurar energia de emergência de regiões vizinhas.

A UC Rusal, que tem dívida de 16,8 bilhões de dólares, já tinha anunciado planos de reduzir produção de alumínio este ano em 500 mil toneladas como parte de um plano amplo de corte de despesas.

A companhia produziu 1,98 milhão de toneladas de alumínio primário no primeiro semestre de 2009, 10 por cento menos que no mesmo período de 2008.

Tudo o que sabemos sobre:
SIDERURGIARUSALPRODUCAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.