Produção de montadoras cai mais de 50% no Japão

A produção das montadoras Toyota, Nissan e Honda recuou mais de 50% em março, devido aos distúrbios na cadeia de abastecimento de peças no Japão. O setor foi afetado pelo terremoto e pelo tsunami que atingiram o país no dia 11 do mês passado. Os problemas com o fornecimento de peças também ameaçam a posição da Toyota como maior montadora do mundo. A empresa pode cair para o terceiro lugar no ranking, atrás da General Motors e da Volkswagen, de acordo com Mamoru Kato, analista da Tokai Tokyo Research Center.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

25 de abril de 2011 | 10h59

Embora o mês de março seja geralmente o maior em produção, já que o fechamento contábil leva as concessionárias a fazerem um último esforço na venda de veículos, isso não impediu uma queda acentuada na produção.

Segundo dados divulgados hoje, a produção nacional da Toyota recuou 63% em março, para 129.491 veículos, ante o mesmo período do ano anterior. As exportações da montadora recuaram 33%, para 107.751 unidades. A Nissan, segunda maior montadora japonesa em volume, afirmou que sua produção caiu 52%, para 47.590 veículos, e suas exportações recuaram 13%, para 41.746 unidades. A produção da Honda declinou 63%, para 34.754 veículos, enquanto as exportações cederam 26%, para 20.699.

Diante do corte da produção, a agência de classificação de risco Standard & Poor''s (S&P) reduziu sua previsão para seis montadoras japonesas, incluindo a Toyota e a Honda, para negativa. A agência prevê que a redução da produção pode afetar o desempenho operacional e financeiro das empresas do setor no atual ano fiscal e corroer sua participação de mercado e posição competitiva no longo prazo. O movimento da S&P indica um aumento da probabilidade de um rebaixamento para as ações das montadoras e de seus fornecedores.

Os problemas com a aquisição de peças também provocaram uma redução das exportações do Japão. Isso, combinado com a incapacidade de fábricas no exterior para manter a produção, devido à escassez de peças, elevou as preocupações sobre se as montadoras serão capazes de sustentar o abastecimento de veículos para as concessionárias no mercado externo.

Apesar de as montadoras terem retomado as operações de todas as suas fábricas no Japão em meados de abril, no rescaldo do desastre, a expectativa é de que a produção não será restaurada para o nível normal tão breve, visto que as empresas de abastecimento ainda estão lutando para restaurar sua produção. Além disso, o governo japonês alertou sobre um provável corte de energia neste verão na região leste do país, onde algumas fábricas de automóveis estão localizadas e mais de 500 fabricantes de peças operam fábricas.

As três principais montadoras japonesas estão operando atualmente suas fábricas a uma taxa 50% inferior ao nível normal ou planejado de produção. As contínuas dificuldades com o abastecimento de peças significam que é difícil para essas empresas fazerem qualquer previsão de longo prazo sobre quando a situação vai melhorar.

A redução da produção de veículo no Japão afetou as vendas da indústria em março, que recuaram 37% em relação ao mesmo período do ano anterior. O declínio foi o maior registrado desde maio de 1974, afirmou a Associação de Concessionárias de Automóveis do Japão no início deste mês.

O Credit Suisse prevê que a produção mundial das montadoras japonesas poderá cair 37% no primeiro semestre até setembro, em relação ao mesmo período do ano passado, e 19% no ano cheio. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.