Produção industrial dos EUA sobe 0,4% em novembro

Resultado ficou levemente acima da alta de 0,3% esperada pelos economistas ouvidos pela Dow Jones

Danielle Chaves e Regina Cardeal, da Agência Estado,

15 de dezembro de 2010 | 12h48

A produção industrial dos EUA subiu 0,4% em novembro, segundo o Federal Reserve, levemente acima da alta de 0,3% esperada pelos economistas ouvidos pela Dow Jones. O dado de outubro foi revisado para baixo, mostrando queda de 0,2%.

O uso da capacidade instalada aumentou para 75,2% em novembro, em comparação com 74,9% em outubro. Economistas previam aumento para 75,0%. Apesar do crescimento, as taxas operacionais continuam bem abaixo da média de 1972 a 2009, que é de 80,6%. Originalmente o uso da capacidade em outubro havia sido calculado em 74,8%.

A produção de veículos e autopeças caiu 6,0% em novembro, depois de subir 1,5% em outubro. Excluindo o setor automotivo, a produção em outros setores da economia aumentou 0,7%, depois da queda de 0,3% no mês anterior. No setor de mineração a produção caiu 0,1% em novembro, no segundo mês seguido de queda. A produção de bens de consumo declinou 0,5%.

Construção

A Associação Nacional das Construtoras (NAHB, na sigla em inglês) dos EUA informou que o índice de atividade das construtoras ficou em 16 em dezembro, mesmo patamar de novembro e em linha com as expectativas de Wall Street. Os construtores permaneceram pessimistas em relação ao mercado de moradias este mês, apesar dos sinais de avanço na economia.

O índice mede a perspectiva das construtoras para vendas de casas para uma família. Um número acima de 50 significa que mais construtoras veem as condições de forma positiva do que negativa. A última vez em que o índice ficou acima de 50 foi em abril de 2006.

A pesquisa mostrou que o índice das condições atuais de vendas permaneceu em 16. As expectativas de vendas nos próximos seis meses também ficaram inalteradas em 25. As informações são da Dow Jones.

(Texto atualizado às 13h43)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.